Notícias

Publicado em 01 de Junho de 2016 às 18h:10

Equipe "The Oliveira Brothers" é a vencedora da Forja de Campeões 2016

Foto do autor

Autor Luigi F.

The Oliveira Brothers sagrou-se campeã por equipes da Forja de Campeões de 2016. Imagem: Reprodução / Facebook 

Após 4 meses e meio de realização das dependências do Coliseu Boxe Center em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, encerrou-se no último sábado a Forja de Campeões. Considerado o mais tradicional torneio das categorias de base do boxe nacional, o campeonato chegou a sua 75ª edição. Batendo o recorde de inscritos no ano de 2016, com 270 competidores, a competição teve como grande vencedora a equipe The Oliveira Brothers, que se sagrou campeã em 5 das 10 categorias disputadas, seguida pelo Coliseu Boxe Center, que conseguiu 3 lutadores no lugar mais alto do pódio.

Promovida pela Federação Paulista de Boxe, entidade presidida por Newton Campos, a “Forja de Campeões” é tida como o principal celeiro do boxe nacional. Iniciado em 1941, o torneio, que inicialmente chamava-se “Campeonato Popular de Boxe Amador da Gazeta Esportiva”, já teve como participantes, ao longo dos anos, Eder Jofre, Servílio de Oliveira, Miguel de Oliveira, Adilson “Maguila” Rodrigues, Francisco “Chiquinho”, Acelino “Popó” Freitas, entre tantos outros nomes de suma importância na história da nobre arte brasileira.

Além do título por equipes, a The Oliveira Brothers, que é capitaneada pelos irmãos e treinadores Ivan e Gabriel de Oliveira, filhos do medalhista olímpico nos Jogos Olímpicos de 1968, Servílio de Oliveira, ainda teve mais motivos especiais para comemorar. Na edição de 2016, Luiz Gabriel e João Victor, que são filhos de Ivan e netos de Servílio, competiram, e acabaram conquistando, respectivamente, uma medalha de ouro e uma medalha de prata. Dessa forma, a família Oliveira, que já tivera como campeões da Forja de Campeões Servílio de Oliveira em 1976, Gabriel de Oliveira em 1991, além de Daniel de Oliveira Soares (que é primo de Ivan e Gabriel), todos na categoria mosca, conseguiu aumentar o número de medalhas conquistadas na competição.

Tendo 11 atletas inscritos, o time dos filhos de Servílio realizou 33 lutas ao longo das 18 semanas de campeonato, vencendo 26 combates e perdendo apenas 7. “Avalio nossa participação como quase impecável. Fomos muito bem. As equipes que ficaram atrás de nós na pontuação chegaram a inscrever entre 28 a 30 atletas, então com 11 atletas nossa participação foi muito satisfatória. Ganhar a Forja de Campeões foi uma realização de um grande sonho, ainda mais tendo meus filhos na equipe e toda essa rapaziada que vive e treina comigo”, declarou Ivan de Oliveira, o “Pitu”, com exclusividade ao Round13.


João Victor, Ivan de Oliveira e Luiz Gabriel, o "Bolinha". Imagem: Reprodução / Facebook

Luiz Gabriel de Oliveira, conhecido como “Bolinha, sagrou-se campeão entre os mosca-ligeiros, derrotando Claudionei Silva na final. Filho mais novo de Ivan, Luiz, de apenas 15 anos, enche de esperanças o pai, que planeja ver “Bolinha” alçando altos voos antes de pensar em profissionalismo. “O Luiz Gabriel, que é o mais novo, é um menino fantástico, um atleta excelente e muito promissor. Ele é até mais promissor do que o irmão dele por terem começado juntos e o irmão ser mais velho, então o Bolinha está 2 anos e meio na frente do irmão comparando a idade e tempo de boxe. Justamente por isso, os resultados do Bolinha vêm sendo até mais favoráveis que os do João”, declarou Pitu.

Ivan também chegou a comentar sobre os planos de tentar levar o filho para os EUA, onde tentariam participar do Golden Gloves, tradicional competição de boxe olímpico da terra do tio Sam. Entretanto, após esbarrar em algumas burocracias, a ideia é priorizar a evolução dentro do país mesmo, pelo menos por enquanto. “Tínhamos o plano de fazer o Luiz Gabriel disputar o Golden Gloves, ou qualquer outro torneio lá fora, justamente por saber do calibre do Bolinha. Ele é muito forte pra categoria, tem um estilo diferenciado, então tínhamos grandes chances de chegar lá e fazer bonito. Porém, após algumas dificuldades para tirar o visto entre outras burocracias, acabamos deixando esse plano para trás. Hoje ainda existe a chance, só que não é mais prioridade. Sobre o futuro dele, nós temos um caminho importante a percorrer no amadorismo ainda. Pensamos em seleção brasileira, no Campeonato Mundial de Cadetes do ano que vem, que será na Argentina, nas Olimpíadas da Juventude em 2018, mas a ideia é evoluir passo a passo”, conta Ivan.

Já João Victor, de 17 anos, filho mais velho do treinador, conquistou a medalha de prata. Na final, João acabou superado pelo jovem baiano João Henrique, que também representa a The Oliveira Brothers. “No caso do João Victor, já é um atleta com um certo lastro no boxe, tem uma certa experiência. Ele já é um juvenil de último ano, então no caso dele, nosso plano é lutar o máximo de vezes possíveis aqui no Brasil, adquirir experiência, e passar para o profissional no máximo no final do próximo ano”, explicou Pitu.

O melhor atleta da competição foi o carioca Cleisson Charles dos Santos, da categoria até 64 kg, que também lutou pela The Oliveira Brothers. Treinando sob a tutela de Ivan desde o início de 2016, Cleisson foi descoberto e lapidado pelo Instituto Todos na Luta, projeto criado na comunidade do Vidigal, no Rio de Janeiro, por Raff Giglio. Treinado desde o início da carreira amadora por Wellington Lisboa, o “Índio”, o jovem chamou a atenção de Pitu durante o Campeonato Brasileiro no ano passado. Naquela ocasião, Ivan conversou com Wellington e Cleisson, explicou sobre seu projeto na The Oliveira Brothers, e acabou convidando-o para integrar a equipe.


Wellington "Índio" Lisboa e Cleisson Charles dos Santos, que foi eleito o mehor lutador da Forja-2016. Imagem: Reprodução / Instagram

Aos 17 anos, o jovem pugilista chamou bastante atenção durante todo o torneio, tendo obtido 6 vitórias em sua trajetória até o título da “Forja”. Valendo-se de amplo repertório de golpes, o lutador bateu Carlos Sátiro, da MM Boxe/Rio Claro, por pontos na grande final, e foi bastante elogiado pelos espectadores que puderam acompanhar sua trajetória na competição.

“Dedico essa conquista a minha família, que sempre me apoiou no boxe desde os 8 anos de idade. Minha irmã Juliana e meu tio Gerson sempre me deram muita força. Dedico também ao Wellington Lisboa, ao Raff e todo pessoal do Instituto Todos na Luta, ao Pitu e ao The Oliveira Brothers, que estiveram comigo nessa caminhada. Fiquei muito feliz por vencer a Forja, um torneio tão tradicional, e ainda ser escolhido o melhor atleta. É uma honra fazer parte da história desse campeonato”, declarou Cleisson em conversa realizada hoje à tarde com o Round13.

O jovem boxeador também aproveitou para dedicar a conquista a quem considera seu maior exemplo como lutador. “Quando comecei no boxe, via muito o Michel Borges, que hoje está na seleção brasileira. Ele sempre me apoiou muito, saiu da mesma favela que eu, teve as mesmas dificuldades, e me ajudou muito, tanto no boxe, quanto na vida pessoal. Me espelho muito nele, pois ele é humilde. Sou um grande fã”, finalizou Cleisson.

“O Cleisson é um moleque espetacular, simplesmente fantástico. Ele nasceu para lutar boxe, e tem todas as características de um grande campeão. Basta manter a cabeça no lugar e os pés no chão, que ele vai chegar muito longe. Ele receberá muitos elogios com essa vitória, mas é importante que continue trabalhando, com seriedade, treinando direito, mantendo-se focado na escola, e continue fazendo o que fez até hoje para continuar de dando bem. Ele é um menino que com certeza vai brilhar e muito. O Brasil vai ouvir falar muito dele”, declarou Ivan sobre o melhor atleta da Forja 2016. O treinador ainda comentou que Santos deverá se manter no amadorismo por mais alguns anos, para que consiga trilhar, da maneira mais completa possível, a trajetória até o profissionalismo. “O boxe exige uma preparação aos poucos. Temos que construir um castelo pedra por pedra, e não um castelo de areia”, finalizou Pitu.

Seguem, abaixo, os resultados completos das finais da edição de 2016 da Forja de Campeões:

- 49 kg: Luiz Gabriel de Oliveira (The Oliveira Brothers) foi o campeão, vencendo Claudionei Silva (CT Gracie) por pontos na final.

- 52 kg: João Henrique (The Oliveira Brothers) foi o campeão, vencendo João Victor de Oliveira (The Oliveira Brothers) por pontos na final.

- 56 kg: Rubens Santos (The Oliveira Brothers) foi o campeão, vencendo Aldeir Silva (Coliseu Boxe Center) por pontos na final.

- 60 kg: Jhonathan Santos (Coliseu Boxe Center) foi o campeão, vencendo Keno Marley (CT Gracie) por pontos na final.

- 64 kg: Cleisson Charles dos Santos (The Oliveira Brothers) foi o campeão, vencendo Carlos Sátiro (MM Boxe/Rio Claro) por pontos na final. Cleisson foi eleito o melhor pugilista da competição.

- 69 kg: Vitor Richard (Coliseu Boxe Center) foi o campeão, vencendo Fabio Mota (Osac/Jac/Santos) por pontos na final.

- 75 kg: Cleiton Silva (The Oliveira Brothers) foi o campeão, vencendo Gustavo Borges (Centro Olímpico) por pontos na final.

- 81 kg: Rômulo Gonçalves (ID AC) foi o campeão, vencendo Rafael Ferreira (Leão de Judá) por pontos na final.

- 91 kg: Jonas Silva (Coliseu Boxe Center) foi o campeão, vencendo Mateus Silva (Luta PM Osasco) por pontos na final.

- +91 kg: Fabio Mamedes (Leão de Judá) foi o campeão, vencendo Fabio Xavier (CT Gracie) por nocaute técnico no 3º round na final.


Imagem: Reprodução / Facebook

Comentários