Notícias

Publicado em 04 de Agosto de 2016 às 07h:40

Jackson Junior enfrenta Yunieski Gonzalez em Miami, com Henrique Oliveira nas preliminares

AutorLuigi F.

Imagem: Jonathan Roberts Photography

Neste sábado, no Miami Airport Convention Center, em Miami, nos EUA, ocorre o evento “Miami Boxing Storm”, que terá como embate de fundo o confronto entre o brasileiro Jackson “Demolidor” Junior (21-6, 19 KOs) e o cubano Yunieski Gonzalez (16-2, 12 KOs).

Esta será a terceira luta de Jackson no ano de 2016. Em maio, o brasileiro acabou derrotado pelo turco Avni Yildrim em programação ocorrida na cidade alemã de Berlim. Já em junho, Junior lutou em nosso país, vencendo Kaique Marques por nocaute no primeiro assalto. Vale lembrar que Jackson já foi campeão brasileiro e latino (versão OMB) entre os meio-pesados, e é considerado pelo Round13 como melhor pugilista da categoria em solo nacional. Até hoje, Jackson só foi derrotado no exterior.

Já Gonzalez fará sua primeira luta no ano de 2016. O cubano tenta reverter a amarga sequência de duas derrotas consecutivas que sofreu no ano passado, sendo, até o momento, seus únicos insucessos na carreira profissional. Em março, foi superado pelo ex-campeão mundial Jean Pascal por decisão unânime bastante apertada. Em dezembro, acabou superado por decisão majoritária pelo ucraniano Vyacheslav Shabranskyy.

Com a ajuda do empresário do brasileiro, Rodolfo Thamer, conversamos com o “Demolidor” para saber suas expectativas para o confronto deste sábado em Miami. Mostrando-se confiante, o pugilista tupiniquim mostrou-se esperançoso num bom resultado. “Minha preparação não poderia ter sido melhor. Minha avaliação é que, estando bem treinado, posso lutar contra qualquer um. Minha expectativa é de vencer e fazer uma boa atuação”, declarou Jackson com exclusividade ao Round13. “Aos meus fãs, gostaria de dizer que eles sempre são minha maior fonte de energia e motivação, pois sem o apoio deles, seria praticamente impossível ter tanta força para continuar em busca das vitórias num país como o nosso. Só tenho a agradecer a todos por sempre estarem comigo nas vitórias e nas derrotas”, finalizou o brasileiro.


Pôster do evento. Imagem: Divulgação

O R13 também conversou com Rodolfo, que falou um pouco sobre a carreira do lutador brasileiro e também sobre o que entende que falta para que o Demolidor volte a obter vitórias lutando no exterior. “O Jackson tem um potencial incrível. Derrotou os maiores nomes da categoria no Brasil e já enfrentou alguns dos melhores lutadores do mundo. Estamos lapidando sua defesa com uma equipe competente e deixando ele ainda mais preparado para boas atuações, como a que ele teve contra o campeão olímpico Egor Mekhontsev. Quando atletas de alto nível se enfrentam, são pequenos detalhes que fazem a diferença, então ter uma preparação física e psicológico adequadas, que é algo que não temos acesso de forma fácil no Brasil. No nosso país, ninguém ajuda ninguém, e muita gente só aparece para comemorar a derrota alheia. Creio que a união das pessoas envolvidas no meio do boxe já seria um bom começo de mudança para melhorarmos a situação do boxe brasileiro”, declarou Thamer.

O empresário também falou um pouco sobre como foi a preparação de Jackson. “A preparação foi embasada no adversário dele. Trabalhamos muito nos pontos que entendemos que precisávamos evoluir. Gostaria de agradecer ao nosso amigo Pablo, da Combat Club, que sempre abre as portas para nossos treinamentos, e também ao George Arias, que é um grande amigo e nos deu um suporte muito legal nos treinos. E um agradecimento a todos que incentivam o boxe, como a equipe do Round13”, finalizou Thamer.

Numa das preliminares do evento, Henrique Oliveira (2-0, 2 KOs) enfrenta o dominicano Miguel “El Caramelo” Queliz (6-1-1, 3 KOs). Henrique, que é irmão mais novo de Michael Oliveira, estreou no profissionalismo este ano, e vem construindo a carreira no exterior.

Aos 22 anos de idade, o brasileiro que reside em Miami é empresariado e promovido pela MO Productions, empresa presidida por seu pai, Carlos Oliveira. Além disso, ele é treinado por Orlando Cuellar, técnico conhecido por já ter treinado nomes como Glen Johnson, Juan Gomez e Yuriorkis Gamboa, além de atualmente trabalhar com Antonio Tarver.

Henrique, que como amador conquistou a medalha de bronze no Florida Golden Gloves de novatos, lutou pela primeira vez no profissional em fevereiro, derrotando Juan Encarnacion. Na sequência, ele derrotou o estadunidense Khalil Marsh. Em ambos sucessos, o brasileiro venceu pela via rápida.


Michael Oliveira, Henrique Oliveira e Orlando Cuellar. Imagem: Reprodução / Facebook

Já Queliz, por sua vez, fez praticamente toda a carreira na República Dominicana. Em novembro do ano passado, o pugilista latino perdeu sua invencibilidade ao ser derrotado por nocaute técnico pelo seu compatriota Rafael “El Minero” Lorenzo. Desde então, “El Caramelo” não subiu mais ao quadrilátero de cordas.

“Minnha preparação foi boa, restando pequenos ajustes para estarmos totalmente prontos para sábado. Espero meu sair bem, pois me preparei e fiz meu trabalho 100%. Sei que meu adversário é mais alto que eu, mas já estou no peso e me sinto muito forte”, declarou Henrique com exclusividade ao Round13.

Nós também falamos com Cuellar, que comentou brevemente sobre a preparação de seu pupilo. “Fizemos um bom trabalho de condicionamento físico, além de um bom trabalho de sparrings, com cerca de 65 rounds feitos na preparação. Também fizemos a parte técnica e elaboramos a estratégia. Agora é esperar a pesagem na sexta-feira e irmos com tudo para a luta no sábado”, disse o treinador cubano.

Até o momento, não existem informações sobre a transmissão do evento para o Brasil.

Comentários