Notícias

Publicado em 04 de Janeiro de 2017 às 10h:55

BoxRec divulga regras para o Brasil em 2017

AutorDaniel Leal

Editor no Brasil do site de recordes de pugilismo entrou em contato com nossa equipe a respeito das exigências que começaram a existir para se subir, ou não conseguir subir, lutas para a plataforma digital de cartéis. Elas são várias, e importantes, tendo potencial para mudar as coisas por aqui. Confira!

Ainda no ano passado, entramos em contato com Marina Sheppard, dona do site BoxRec.com, maior acervo online de cartéis de pugilistas, amplamente utilizado como referência no que tange os recordes dos atletas mundo afora. Nossos questionamentos, dos mais variados, foram respondidos, e o site, por meio de seu editor no Brasil (cujo nome preferimos não divulgar), entrou em contato para nos informar o que deve ser feito para que os combates que ocorrem em solo nacional realmente sejam mandados para o banco de dados deles, ou seja, para que não sejam lutados “inutilmente”, como tem ocorrido em várias programações das quais tivemos conhecimento.

Essas normas não fogem das internacionais, e muitas visam a segurança dos participantes, seja esta física, ou jurídica. Isso porque, uma gama de resultados fraudulentos, segundo o próprio BoxRec, vinha sendo mandado há anos para que fossem computados no cartel de vários nomes conhecidos por aqui. O próprio editor admite que o site contém esses erros: “Tem resultados de lutas no BoxRec que têm fraudes e ainda estão no sistema. Estão (lá) por um tempo, pois estou fazendo toda as investigações dessa lutas que estão com suspeita de fraudes. O sistema do site BoxRec está passando por uma varredura no Brasil, estou fazendo todas as investigações possíveis e com muita perícia.”

Para minimizar, e quem sabe acabar, com isso, a organização passará, a partir de 01/01/2017, a operar, exclusivamente, com as regras abaixo:

– Só receberá resultados de lutas profissionais de uma federação, ou de uma confederação, que já tenha cadastro no sistema do BoxRec. O sistema do site não receberá mais nenhum tipo de federação para novos cadastros;

– A federação, ou confederação, terá que enviar nome completo do médico responsável pelo evento, identidade e o CRM do mesmo;

– A federação, ou confederação, terá que enviar os documentos de identidade (RG) dos boxeadores profissionais, ou debutantes, que se encontrem no evento profissional;

– A federação, ou confederação, terá que enviar os documentos de identidade (RG) dos árbitros que estiverem no evento profissional;

– A federação, ou confederação, terá que enviar os documentos de identidade (RG) dos jurados que estiverem no evento profissional;

– A federação, ou confederação, terá que enviar os seguintes exames médicos de sangue dos boxeadores profissionais, ou debutantes, do evento: Hemograma para Hepatite, Sífilis e HIV (exames atualizados);

– A federação, ou confederação, terá que enviar os exames de gravidez, no caso de boxeadoras do sexo feminino que sejam profissionais, ou debutantes (exames atualizados, do mesmo mês do combate), além dos exames de sangue já exigidos a todos;

– A federação, ou confederação, terá que enviar os vídeos completos do evento profissional. A filmagem tem que ser nítida, em perfeita gravação das lutas profissionais (não serão aceitas filmagens mal gravadas e o resultado será negado);

– A federação, ou confederação, terá que enviar as programações do evento antecipadas com, no mínimo, 10 dias para a realização do mesmo;

– A federação, ou confederação, tem o prazo máximo de 48 horas para enviar o resultado completo do evento para o sistema do site BoxRec (caso passe esse prazo, será negado o resultado);

Resultados que NÃO serão aceitos no sistema do BoxRec

– Não serão aceitos os resultados de lutas com ringue de chão. O ringue padrão tem altura de 91 centímetros;

– Não serão aceitos os resultados de lutas com ringue menor que 4.90 metros nos quatro cantos;

– Não serão aceitos os resultados de lutas com ringue encostado na parede. O ringue deve ficar afastado, no mínimo, 3 metros da parede nos quatro cantos;

– Não serão aceitos os resultados de lutas sem algum dos documentos mencionados anteriormente;

– Não serão aceitos os resultados sem uma federação, ou uma confederação, para que ela possa fiscalizar todo evento profissional (o resultado será negado caso enviado sem uma federação, ou confederação, para que se fiscalize os resultados profissionais);

– Não serão aceitos os resultados anteriores, dos anos passados (2016, 2015, 2014, 2013, etc);

– Não serão aceitos os resultados sem vídeos bem gravados, caso enviados os vídeos mal gravados, o resultado não será atualizado no sistema;

Como vimos, estas medidas padronizam a realização de eventos e ajudam a evitar fraudes. Também se recomenda que a pesagem seja filmada, ou fotografada, principalmente quando os boxeadores subirem na balança. Isso ajuda na identificação dos mesmos, além do vídeo do confronto. A federação, ou confederação, supervisionadora, é quem deve ser responsável pelos trâmites à cima, junto do envio das documentações exigidas.

O BoxRec, conforme já dissemos outrora, pode ter um papel importantíssimo na moralização do boxe brasileiro, daqui em diante, uma vez que os “fazedores de cartel” vão ter que se preocupar muito mais com o que fazem. Não será mais qualquer evento e qualquer resultado que será aceito pelo sistema. Além disso, automaticamente, se inibe a proliferação ainda maior de entidades sancionadoras no Brasil. A lei Pelé permite que elas existam, mas o BoxRec só aceitará resultados daquelas que já estão cadastradas.

As exigências do site são congruentes à maioria dos regulamentos internacionais, e não são nada absurdas. Na realidade, são apenas o mínimo que deve-se ter para assegurar a integridade dos maiores envolvidos no boxe, ou seja, os boxeadores! Os exames de sangue, por exemplo, podem ser realizados gratuitamente em postos de saúde espalhados por todo o Brasil, inclusive os testes de gravidez.

Resta aos envolvidos no boxe profissional brasileiro, que cumpram o determinado, e sigam a risca. Vale lembrar que o novo editor esta por aí e pode, perfeitamente, fiscalizar o trabalho das próprias entidades registradas. Até por isso, manteremos sua identidade em sigilo, ainda que ele mesmo não tenha nos feito esta solicitação.

Que se cumpram as regras, e que os resultados fraudulentos sejam eliminados, se for o caso. É mais um passo para, quem sabe, consigamos organizar melhor a nobre arte por aqui...

Comentários