Pós-Luta

Publicado em 10 de Abril de 2017 às 07h:56

O BoxingForYou 2

AutorDaniel Leal


Todos os detalhes do evento ocorrido na última sexta-feira em Sorocaba: Resultados, percepções, análises e entrevistas com os envolvidos na programação que lotou o Hotel Golden Park!
(Imagem: Montagem R13)

Quando cheguei no Hotel Golden Park na última sexta-feira, 7 de Abril, pelo final da manhã, a lona do tablado estava sendo finalizada. Um profissional pintava-a, marcando os patrocínios na mesma para a noitada que ocorreria em menos de dez horas. Acima, a estrutura de iluminação já estava levantada, e as bandeirolas já indicavam o que a arte em questão mostraria: As marcas patrocinadoras do evento. Nada menos do que Everlast, Paris Filmes, Tempermax, Mohave, Red Hot Energy Drink, QO'culos e o próprio logotipo do BoxingForYou. Nunca havia presenciado tantos e tão grandes patrocínios em um só espetáculo pugilístico no Brasil, ainda mais em um 100% brasileiro, sem nenhum tipo de influência ou ajuda externa.

Até aí, o óbvio imperava – uma vez que a primeira edição havia sido fantástica, natural que mais empresas se interessassem em expor suas marcas – mas valia a surpresa, ainda assim, no número e magnitude das mesmas. Se restava alguma dúvida de que um mercado suprimido havia sido atingido em cheio e que uma demanda reprimida tornara-se exposta, naquele momento já não sobravam questionamentos. Estava diante do making-off do maior evento de boxe em nosso país.

Entretanto, nem a melhor das produções, com as maiores companhias por trás, poderia abafar um casamento ruim de combates. As pessoas iriam ao local, comprariam os ingressos, sairiam satisfeitas com toda a estrutura, mas não voltariam se os confrontos fossem extremamente ruins. Felizmente, não foi o que aconteceu em Sorocaba naquela noite. Mesmo após uma chuva torrencial atingir a Grande São Paulo e parte do interior durante todo o dia, cerca de mil espectadores lotaram o CENACON, nome que o hotel dá ao espaço utilizado. Algo em torno de 300 pessoas a mais estavam lá dessa vez, e vale lembrar que o último B4U foi realizado em um sábado, dia em que era muito mais simples deslocar-se da capital paulista até lá. Por isso mesmo o público precisava ser recompensado com bos lutas, e assim o foi.

Bruno Cesar vs. Ademir Machado – Pesos-médios (até 72,575 kg)


Imagem: Round13

Como da última vez, Bruno Cesar de Paula (1-1, 0 ko's) fez a luta inaugural do quadrilátero montado no Golden Park. Dessa vez, no entanto, a sorte não lhe sorriu. O lutador local deparou-se com Ademir Jesus Machado (3-0, 1 ko's), 15 anos mais velho, e foi batido em todos os aspectos, sejam eles técnicos, táticos e, até mesmo, físicos. Lembro com clareza do quão exausto Cesar estava antes do último assalto. Ademir, por sua vez, conversava com seu treinador, Luiz Caetano, como quem estivesse simplesmente descansando de uma caminhada. O resultado de minhas papeletas, 40-36, demonstrou muito bem a superioridade de Machado. Um dos jurados viu exatamente o mesmo placar, outro apontou 39-37, porém o experiente Osvaldo Zuanella, por alguma razão, enxergou êxito de Bruno. Decisão dividida, mas vitória justíssima do atleta da Ponte Preta, mesmo na casa do adversário.

Wagner “Caldeirão” Prado vs. Gleison “Mamute” Silva – Pesos-pesados (acima de 90 kg)


Imagem: Round13

Se uma luta pode ter sido considerada abaixo das expectativas, esta, sem dúvidas, foi o confronto entre Wagner Caldeirão (1-0, 0 ko's) e Gleison Mamute (0-1). Esperava-se uma guerra entre os dois estreantes vindos do MMA. Ainda mais de Mamute, dado seu passado como boxeador amador. A iniciativa, porém, foi toda de Caldeirão, que surpreendeu com uma qualidade técnica maior, vencendo nos pontos por 39-37 em nossa contagem. Dois dos jurados apontaram o mesmo e um terceiro, 40-36. Decisão unânime e uma bela estreia de Wagner. Quanto à Gleison, resta saber se existe motivação para continuar tentando, aos 37 anos, uma nova carreira na nobre arte.

Marcos Lolata vs. Gabriel Macário – Super-médios (até 76,2 kg)


Imagem: Round13

Com uma contenda anterior sem um aguardado nocaute, a entrada de Gabriel Macario (0-1) já deixava claro que veríamos algo diferente. Com um calção escrito “Playboy”, óculos escuros e duas dançarinas, o jovem paulistano já demonstrava que não adentrara para fazer mais do mesmo. Lolata preferiu uma entrada mais discreta. Ao soar do gongo, no entanto, ambos começaram entregando tudo, com Macario mais rápido e preciso, porém exposto. Foi apontado nos comentários pela BandSports que confiar tanto em seus reflexos e tão pouco em sua guarda poderia ser um problema, ainda mais em se tratando de uma performance duas categorias à cima de sua ideal. Dito e feito. No segundo round, Marcos atingiu-o novamente com sua poderosa direita, que já havia lhe garantido um belo KO na primeira edição do evento. Dessa vez, Gabriel ficou vendido, tomou uma saraivada de golpes junto ao córner azul, obrigando o árbitro a interromper as ações. O sorocabano venceu e resolveu “tirar onda” depois, mostrando seu sobrenome, calçando um par de óculos, chutando e quebrando-os mais tarde. Esta atitude, apesar de claramente ser um desabafo em relação às provocações antes da batalha, custou-o uma correta suspensão de dois meses aplicada pelo Conselho de Ética do CNB. Porém, até o BoxingForYou 3, a mesma já deve ter expirado, o que coloca Lolata em rota de colisão com Tomaz Freitas (3-0-1, 2 ko's), em um embate já praticamente acertado – e muito interessante.

Fabio Maldonado vs. Clayton Lyra – Pesos-pesados (acima de 90 kg)


Imagem: Round13

Se a primeira peleja entre pesados não cumpriu com o que dela se esperava, a segunda foi exatamente como o previsto. Fabio Maldonado (25-0, 24 ko's), agressivo como sempre, foi para cima de Clayton Lyra (6-5, 5 ko's) logo no início. Diante de um adversário valente, o “Caipira de Aço” mostrou seu melhor no segundo round, nocauteando Lyra com um devastador golpe de direita. Após esta atuação, Maldonado indicou que quer aventurar-se novamente no pugilismo internacional. Quer testar-se no EUA mais uma vez, sem se importar em sujar, ou não, seu cartel. Já Lyra vai ter que esperar pelo menos seis meses para atuar de novo já que o Conselho Nacional de Boxe aplicou-lhe suspensão médica após sua terceira derrota por nocaute de forma consecutiva, a segunda em menos de três meses.

Leandro Rufino vs. Robson “Bambu” Machado – Título Brasileiro Interino dos Pesados – CNB


Imagem: Round13

Ídolo local, Leandro Rufino (6-0, 5 ko's) é uma figura ímpar. Discreto, respeitoso e humilde, o sorocabano atrai sempre um bom e apaixonado público a seus combates em sua cidade. Valendo o título brasileiro interino dos pesados, agora não foi diferente. O adversário, porém, apesar de chamado às pressas para substituir Raphael Zumbano, não decepcionou, pelo contrário. Robson Bambu (2-2, 2 ko's) começou ganhando os dois primeiros giros, fazendo com que Rufino tivesse que mudar seu jogo para sobressair. Cansado, Bambu passou a escorar-se e abaixar a cabeça de Leandro com suas mãos durante o clinch. O árbitro, José Borges, iniciou o desconto de pontos no quinto intervalo, e assim foi até a terceira vez, no oitavo, quando desclassificou um exausto Robson, que já estava sendo amplamente batido. Rufino torna-se campeão interino e aguarda Zumbano para, quem sabe, unificarem os cinturões e termos somente um campeão brasileiro na categoria máxima.

Juliano Ramos vs. Edelson Silva – Meio-médios-ligeiros (até 63,5 kg)


Imagem: Round13

Apontada como uma possível luta da noite, Juliano Ramos (22-7, 17 ko's) x Edelson Silva (13-0, 11 ko's) causou surpresas de formas diferentes: Ramos foi uma, pois não demonstrou o boxe que o deixou reconhecido no Brasil; Edelson foi a outra exatamente por, após 7 anos afastado, ter apresentado uma qualidade excepcional. Silva não sentiu falta alguma de ritmo, entrando e saindo do raio de ação de seu adversário com um timing perfeito. Méritos para ele e sua equipe, comandada por Washington Silva. O baiano deu show e fez a torcida gritar seu nome, ao invés do lutador local, sendo ovacionado como, sem a menor sombra de dúvidas, o boxeador mais virtuoso da noite. Nossa pontuação em 79-73, coincidiu com uma das papeletas oficiais. As demais apontaram 79-74 e 77-75, sendo esta última muito mais apertada do que o plausível, em nossa visão.

Paulo Soares vs. Eduardo Reis – Título Brasileiro dos Super-Penas – CNB


Imagem: Round13

Que Antonio Paulo Soares, o “Paulinho”, (6-0, 4 ko's) é o headliner, a grande estrela, do BoxingForYou, não restam dúvidas. Ele fez as duas lutas principais dos dois eventos realizados até hoje, e pode fazer a terceira, se estiver liberado pelos médicos. Apesar disso, seus empresários não o aliviam em nada. Se da última vez Daniel “Eddie Murphy” Araujo fora escolhido para lhe complicar a vida, desta vez o muito mais experiente Eduardo Reis (22-4, 18 ko's) foi chamado para disputar o título vago do CNB na categoria dos super-penas. O confronto, apesar de amplamente vencido por Paulinho nos pontos, foi equilibrado em boa parte dos rounds. Soares sobressaiu por ser mais preciso e atingir Reis com maior potência. No entanto, o atleta da casa teve problemas, tendo um supercílio cortado e o outro olho inchado. Verdade que a as cabeçadas não-intencionais foram as responsáveis maiores por estes ferimentos, mas isso demonstra claramente a vontade de ambos. Eduardo teve a grande chance de reviver após o ocorrido na Alemanha no final de 2015, e não decepcionou. Mesmo com a decisão unânime em favor de Paulo, com marcações em 100-90, 100-91 e 99-91 (idem à nossa), Reis saiu de Sorocaba com a possibilidade de voltar na próxima noitada realizada pela BTSM Group, ou combater nos EUA. Já o maior nome desta empreitada sai com o sonho realizado de ser campeão brasileiro, apresentando evolução técnica e talento. É possível que já faça um confronto internacional, também na 3ª edição do B4U.

Como podemos notar, mais uma vez a organização está de parabéns e bons imbróglios garantiram uma ótima noite ao fã do esporte de luvas. Muita gente tem nos perguntado se o primeiro evento fora melhor, mas esta é uma resposta difícil. Em alguns aspectos esta segunda empreitada foi melhor, em outros talvez não. Isso tudo porque, ainda que inevitável, comparar uma programação com a outra não cabe. É impossível em uma modalidade tão dinâmica e surpreendente, fazer exatamente sempre a mesma coisa. Vale notar, então, que a produção evoluiu, que o trabalho está bem planejado e o ingresso vale o preço cobrado. Apenas mantendo-se assim, o BoxingForYou tende a cumprir todos os seus objetivos a longo prazo. Se evoluir ainda mais, acelerará esse processo, nossa intuição e percepção de negócios nos dizem que é exatamente isso que tende a acontecer.

A próxima edição deve acontecer na primeira quinzena de Junho, como pode ser conferido nas entrevistas em vídeo abaixo. Sérgio Batarelli, Thiago Cobo e a Paris Filmes seguem, portanto, seu planejamento inicial, e devem colocar pelo menos mais três espetáculos no ar até o final de 2017.

A edição número #2 foi realizada pela BTSM Group, com apoio de Everlast, Paris Filmes, Tempermax, Mohave, Red Hot Energy Drink e QO'culos, sendo supervisionada pelo Conselho Nacional de Boxe, que também sancionou os dois títulos em jogo na noite.

Falar dos patrocinadores e demais envolvidos foi apenas um agradecimento pelo belo trabalho O boxe brasileiro estava precisando, urgentemente, disso.

Comentários

Outras Lutas

Artur Szpilka X Artur Szpilka

Veja como foi

Veron X Veron

Veja como foi