Artigos

Publicado em 18 de Janeiro de 2009 às 00h:00

2008 para o Boxe Brasileiro

Foto do autor

Autor Luigi F.

Imagem: http://www2.planalto.gov.br/acervo/simbolos-nacionais/bandeira/bandeira-nacional.jpg

O ano que se passou teve coisas boas e ruins para o boxe nacional. Alguns lutadores se destacaram, outros não foram tão bem, e outros poderiam ter ido melhor. Pensando nisso, o Round 13 elaborou uma lista de alguns dos principais nomes do boxe brasileiro, e analisou como foi esta temporada para cada um deles. Além disso, conseguimos entrar em contato com muitos deles, que puderam dar a opinião própria sobre o ano passado, e também sobre as expectativas para 2009.

Infelizmente, não foi possível achar todos os pugilistas. Vale também lembrar que esta lista não conta com todos os boxeadores brasileiros, e sim com os que, na nossa visão, mais se destacaram.

Outra questão que sempre é levantada nos nossos comentários é em relação aos cartéis. Como todos sabem, os números de diversos lutadores brasileiros são alterados e falsos. Para evitar confusões, buscamos informações sobre os dados que não tínhamos certeza absoluta, e destacamos as fontes nas quais passaram uma confirmação desses dados.

De qualquer forma, esperamos que todos vocês gostem da matéria. Foi algo muito trabalhoso, mas que com certeza valeu a pena. Desde a fundação deste site, o nosso propósito foi ajudar a divulgação do boxe brasileiro para ajudar a aumentar o espaço do esporte que tanto amamos na mídia, e reportagens como essa apenas retificam tal objetivo. Aos lutadores, desejamos uma excelente temporada, e esperamos que a retrospectiva de 2009 traga ainda mais sucessos, vitórias e títulos.

Confiram!

George Arias
Categoria: Pesados
Cartel confirmado: 42-11, 30 KOs

Maior referência da categoria máxima no Brasil desde a aposentadoria de Adílson “Maguila” Rodrigues, o paulista George Arias fez apenas duas lutas em 2008. Na primeira delas, em setembro, foi superado pela britânico Audley Harrison, lutando na casa do rival. Na oportunidade, o resultado foi contestado por grande parte dos espectadores. Porém, dois meses depois, Arias deu a volta por cima. Lutando no interior paulista, na cidade de Rio Claro, ele conseguiu nocautear o argentino César Gustavo Acevedo, conquistando o título sul-americano. Dessa forma, aos 34 anos, o ano deverá ser bom para o brasileiro, que poderá ter boas chances.

Balanço do pugilista: “Foi um ano bom, pois consegui conquistar o título sul-americano, o que é muito importante para minha carreira. Em 2009, pretendo defender os cinturões brasileiro e sul-americano, e quem sabe chegar a uma disputa de título mundial”


Raphael Zumbano
Categoria: Pesados
Cartel confirmado: 18-4-1, 16 KOs

O destaque do ano de Zumbano foi, com certeza, a grande atividade. Em 2008, Raphael realizou 9 embates, além de participar dos treinamentos de dois lutadores conhecidos mundialmente: Ruslan Chagaev e Luan Kraniqi. Em suas 9 apresentações, o paulista obteve 7 vitórias, das quais apenas uma não veio por nocaute, e conquistou dois títulos internacionais: o Mundo Hispano, pelo CMB, e o Fedebol, pela AMB. Porém, em suas duas lutas fora do país, o primo de Éder Jofre acabou derrotado, ambas vezes por pontos. De qualquer forma, 2009 poderá ser interessante para o integrante da tradicional família brasileira da nobre arte, que vem de vitória no mês passado sobre o boliviano Saul Farah, onde conquistou a cinta da Associação acima citada.

Balanço do pugilista: “2008 foi um ano excelente, onde tive excelentes oportunidades, mas infelizmente não pude aproveitar todas. Mesmo assim, foi o melhor ano da minha vida. Espero que 2009 seja ainda melhor, e os meus planos continuam os mesmos: treinar bastante e aproveitar as chances que surgirem, além de ir atrás de mais títulos e continuar sendo lembrado para treinar com grandes campeões, como o Chagaev e o Krasniqi”


Laudelino Barros, o “Lino”
Categoria: Cruzadores
Cartel confirmado: 29-2, 27 KOs

Com 4 lutas e 4 vitórias por nocaute, o campeão brasileiro dos cruzadores pela CBBoxe foi bem, mas poderia ter ido mais longe, caso enfrentasse oponentes mais conhecidos. A maior vitória que Lino obteve foi justamente sobre o boliviano Saul Farah. Chegou a ser cogitada uma disputa do cinturão latino pelo CMB contra o equatoriano Hugo Aníbal Abad, porém a luta não saiu. Outra proposta que chegou ao brasileiro foi para enfrentar Enzo Maccarinelli, pelo título mundial da OMB. Porém, o convite surgiu apenas uma semana antes da data marcada, e Lino acabou recusando a proposta. Com 32 anos, Barros pode buscar oponentes tanto fora quanto dentro do país. O maior confronto possível seria contra Pedro Otas, sobre quem falaremos abaixo.

Balanço do pugilista: “Espero que o ano que vem tenham mais lutas, e lutas duras, e que eu possa disputar algum título lutando aqui no Brasil, pois sei que posso lutar contra qualquer um, mas não são todos que querem lutar comigo”
 

Pedro Otas
Categoria: Cruzadores
Cartel confirmado: 18-0, 16 KOs

Após obter duas vitórias logo no início do ano, sobre Sidney da Silva e Hector Ávila, Otas se lesionou, e teve que passar por cirurgia na mão direita. O paulista retornou apenas em novembro, quando nocauteou Sandro Luis Martins, conquistando o cinturão brasileiro, versão CNB, e aumentando ainda mais as expectativas do grande público quanto a um duelo contra Laudelino Barros.


Edson César Antônio, o “Foreman”
Categoria: Cruzadores
Cartel não confirmado: 36-6-1, 28 KOs

Com 3 vitórias nessa temporada, o pugilista de 31 anos conquistou o cinturão Mundo Hispano, pelo CMB, em junho, ao bater o argentino Aaroa Soria. Com menos prestígio do que os dois cruzadores acima citados, a grande chave para Foreman se consagrar no cenário seria desafiando ou Lino, ou Otas.
 

Peter Venâncio
Categoria: Meio-pesados
Cartel confirmado: 46-11-1, 36 KOs

Apesar de não ter se apresentado no ano passado, não tem como simplesmente deixar passar o fato de Peter Venâncio ter declarado a aposentadoria dos ringues. Com 44 anos, Venâncio foi um dos maiores nomes da história recente do pugilismo tupiniquim. Extremamente profissional e dedicado, o paulista por pouco não se consagrou campeão do mundo. Em 1997, ao enfrentar o norte-americano William Joppy, Venâncio foi derrotado por decisão contestável. Mesmo derrotado nessa e em outras oportunidade, o brasileiro talvez seja, como já afirmamos em matérias passadas, um dos maiores exemplos de que, caso houvesse uma boa estrutura, choveriam campeões oriundos daqui.
 

Marcus Vinícius de Oliveira, o “Ratinho”
Categoria: Super-médios
Cartel confirmado: 14-0-1, 13 KOs

Uma das grandes promessas brasileiras no último ano, Ratinho obteve 4 vitórias em solo nacional em 2008, além de ter feito sua estréia fora do país. Em setembro, ele foi à Alemanha, onde enfrentou o letão Jurijs Boreiko. Apesar do empate conquistado em terras estrangeiras, Ratinho retornou confiante em seguir a carreira no exterior, tentando buscar um futuro diferente do de muitos de seus compatriotas, que seguem combatendo apenas no Brasil. Vale lembrar que na categoria dos super-médios, ainda temos 2 valores que se destacam: Isaac Rodrigues e Eduardo Cardoso, de quem falaremos logo abaixo.

Balanço do pugilista: “Em 2008 fiz 5 lutas, ganhei 4 por nocaute aqui no Brasil e empatei uma lá fora. Em geral foi bom pra mim. Apesar de eu ter treinado por um tempo na Alemanha, tudo foi contra, e mesmo assim estou satisfeito. Acho que cresci bastante, fiz vários amigos importantes como o Erislandy Lara e o Juan Carlos Gomez (pugilistas cubanos), pessoas que se tornaram amigos íntimos, e isso é muito importante para a minha carreira. Aprendi no ano passado que o negócio para mim é buscar títulos lá fora. Se fosse para comparar com o futebol, o Brasil estaria na Série C em relação ao mundo. Até existe um ou outro adversário bom para mim aqui, mas quero conquistar títulos lá fora, esse será meu grande foco. Talvez eu lute em março, o meu empresário Luiz Gonsalez está tentando fechar uma luta em Portugal. Além disso, estou treinando com o Peter Venâncio, um cara muito experiente, e com o César Ferreira, da Orion Boxe. Bom, para meus fãs eu digo que assim como fui o melhor em 2007, serei o melhor em 2009. Já comecei a treinar forte, minha vida está mais tranqüila agora, estou mais focado e não irei decepcionar vocês”
 

Isaac Rodrigues
Categoria: Super-médios
Cartel confirmado: 13-0, 11 KOs

Com duas lutas e duas vitórias por nocaute obtidas sobre adversários vindos da Argentina, Isaac Rodrigues é outra boa promessa do Brasil nos super-médios. Campeão latino pela OMB, entidade pela qual está rankeado na 13ª posição, o paraense vem gabaritado por 3 vitórias obtidas nos EUA em 2007. A defesa de seu cinturão, assim como a continuação de sua carreira no exterior são as grandes chaves para Isaac subir ainda mais no ranking, e, quem sabe, disputar algum título maior já em 2009.

Balanço do pugilista: “Foi um bom ano. Apesar de eu ter lutado somente duas vezes, me tornei campeão latino e estou rankeado mundialmente. Para 2009 espero muitas vitórias (risos). Estou querendo ir morar nos EUA e fazer minha carreira por lá, mas ainda não tem nada confirmado”
 

Eduardo “Cachorrão” Cardoso
Categoria: Super-médios
Cartel confirmado: 9-0, 6 KOs

No seu 2º ano como profissional, Eduardo manteve a invencibilidade com mais 5 vitórias, 3 delas pela via rápida. Menos experiente que Ratinho e Isaac, Cachorrão também mostrou-se um bom valor, e pode surpreender os que ainda não o conhecem. Segundo informações divulgadas pelo próprio lutador, ele deverá lutas, em breve, na Argentina. Mais informações serão divulgadas assim que a negociação estiver fechada.

Balanço do pugilista: “2008 foi um ano de vitórias e que abriu as portas para que em 2009 eu possa chegar onde eu quero no boxe. Passei o mês de novembro e o início de dezembro na França, onde treinei com o Zinedine Benmakhouf, peso-pesado francês, com o Medhi Amar, super-médio francês que já foi campeão de muay-thai, entre outros atletas de nível internacional. Em maio eu iria disputar o título brasileiro do CNB contra o Ratinho, mas por causa da organização não teve. Então eu também quero, em 2009, disputar esse título, que vai ser meu. Se o CNB quiser promover essa luta, estou à disposição. Não é nada contra o Ratinho, que por ventura é meu camarada. Tenho meus objetivos no boxe, e estou tendo uma oportunidade que não tive quando eu era amador, por causa de “panelinhas” existentes na seleção. Então, agora no profissional vou sacudir tudo”
 

Cleiton Conceição
Categoria: Super-médios
Cartel não confirmado: 15-3-2, 11 KOs

Outro brasileiro que já fez algumas lutas nos EUA, porém neste ano só se apresentou em território nacional, Cleiton Conceição obteve 3 vitórias em suas 3 lutas realizadas em 2008.
 

Erivan Conceição
Categoria: Super-médios
Cartel não confirmado: 12-0-1, 10 KOs

Com duas lutas e duas vitórias, ambas no 2º semestre, Erivan Conceição deverá se apresentar com maior frequência, caso queira disputar títulos e evoluir. O baiano, que chegou a se apresentar nos EUA e no México em suas primeiras lutas no profissionalismo, deve lutar agora no começo de 2009, em evento que poderá ocorrer no Rio de Janeiro.
 

Samir dos Santos Barbosa
Categoria: Médios
Cartel confirmado: 21-4-3, 16 KOs

Com 5 lutas realizadas no ano passado, Samir foi derrotado em apenas uma, justamente a que disputou fora do país. O embate em questão ocorreu na Alemanha, e Barbosa foi superado nos pontos por Khoren Gevor. Mesmo com a derrota, Samir, que obteve 3 nocautes em suas 4 vitórias de 2008, causou boa impressão, e pode ter uma nova chance lá fora em 2009.

Balanço do pugilista: “Ano passado foi muito bom, fiz 5 lutas, sendo uma delas na Alemanha pelo título inter-continental contra o Khoren Gevor. Também passei o mês de outubro treinando com dois campeões mundiais da Universum em Hamburgo, na Alemanha, que são o Sergey Dzinziruk, campeão dos médio-ligeiros da OMB, e com o Felix Sturm, campeão dos médios pela AMB. Já no início deste ano estarei lutando um título latino ou Mundo Hispano, e os projetos são de até o fim do ano estar desafiando um destes dois campeões mundiais mencionados acima, além de continuar com os projetos sociais com crianças carentes que temos na cidade de Rio Grande, no RS”
 

John Anderson Carvalho
Categoria: Médios
Cartel não confirmado: 18-3-1, 11 KOs

Outro representante do boxe paraense, John Anderson, também conhecido como “Renatinho”, conquistou o título latino da OMB em 2008, e chegou até mesmo a defendê-lo por uma vez na temporada passada. Em agosto, teve a chance de disputar o cinturão inter-continental, mas acabou derrotado nos pontos pelo invicto alemão Sebastian Zbik.

Balanço do pugilista: “Para mim 2008 foi um ano maravilhoso, ganhei títulos, mas acabei deixando escapar o inter-continental, disputado na Alemanha. Espero que em 2009 eu seja campeão mundial, pois é para isso que estou lutando”
 

Rogério “Sapo” Pereira
Categoria: Médio-ligeiros
Cartel confirmado pela Boxe Brasil: 17-1, 14 KOs

Apesar de ter vencido sua primeira exibição no ano passado, quando nocauteou Luciano “Pantera” Souza, defendendo com sucesso seus cinturões de campeão brasileiro pela CBBoxe e de campeão latino pela OMB, 2008 ficará marcado como o ano em que o baiano perdeu a invencibilidade. Em combate realizado em dezembro, Sapo foi nocauteado por Antonio Barbosa, conhecido como “Painho”. Uma revanche deve ocorrer no primeiro semestre deste ano, e dessa vez os dois cinturões mantidos por Sapo deverão entrar em disputa.
 

Mike Miranda
Categoria: Médio-ligeiros
Cartel confirmado: 30-2, 27 KOs

Com duas vitórias obtidas pela via rápida, Mike Miranda é outro que poderia ter lutado mais. Atual #15 pela AMB, Miranda deveria ter disputado o cinturão Fedebol da AMB em evento realizado em São Vicente, SP, no mês passado. Porém, a luta acabou cancelada sem maiores explicações dos organizadores.
 

Carlos “Açougue” Nascimento
Categoria: Médio-ligeiros
Cartel confirmado: 21-1, 18 KOs

Um dos poucos, senão o único brasileiro a retornar com vitórias do exterior em 2008, Carlão Nascimento fez 3 lutas no México, onde vem treinando. Apesar de não ter enfrentado oponentes de primeira linha, Açougue obteve 3 vitórias por nocaute, e, na última delas, conquistou o boldrié latino do CMB. O ano de 2009 poderá ser excelente para o brasileiro, que, segundo informações dadas pelo promoter Bob Arum, deverá enfrentar Julio Cesar Chavez Jr. em março. Com uma vitória, Carlão apareceria ainda mais, e certamente voltaria a ter uma chance de disputar um mundial.
 

Rocky Júnior
Categoria: Médio-ligeiros
Cartel confirmado: 7-0, 3 KOs

Com duas vitórias, um dos poucos representantes do Estado de Alagoas no cenário do boxe brasileiro, José Cléverton, mais conhecido como Rocky Júnior, conquistou o cinturão Mundo Hispano, do CMB, em sua última exibição. Mesmo aos 37 anos, o alagoano ainda demonstra ter objetivos e gana para evoluir no esporte, e, quem sabe, conquistar mais títulos.

Balanço do pugilista: “O ano de 2008 foi, com certeza, muito importante para mim, pela defesa do cinturão paulista e a conquista do Mundo Hispano. Também foi um ano marcante, pelo momento que passei na minha última luta. Nela, fraturei o punho e acabei tendo que passar por uma cirurgia delicada. Estou em recuperação, fazendo fisioterapia para poder retornar o mais rápido possível. Todo esse sofrimento que passei e estou passando me ensinou muitas coisas. Já em 2009 pretendo passar um tempo fora do país, muito provavelmente nos EUA, para lutar e dar aulas. Outro objetivo é voltar a treinar kick-boxing”
 

Antônio Mesquita, o “Mesquitinha”
Categoria: Meio-médios
Cartel confirmado: 34-1, 26 KOs

Nome constante nas listas de todos os fãs de boxe brasileiro quando pensavam num compatriota que estivesse prestes a disputar um título mundial, parece que Antonio Mesquita dificilmente poderá atingir esse objetivo. Invicto por 34 lutas, e com uma carreira que vinha sendo feita fora do país, Mesquitinha teve problemas extra-ringue, o que prejudicou seu rendimento e seu possível sucesso numa disputa mundialista. Em janeiro de 2008, veio a primeira e única derrota até hoje, na que pode também ter sido sua última aparição como profissional. Mesquita acabou derrotado pela revelação norte-americana Lamont Peterson. Desde então, nenhuma notícia sobre o brasileiro, que estava morando nos EUA, foi divulgada.
 

Anderson “Pantera” Clayton
Categoria: Meio-médios
Cartel não confirmado: 29-6, 24 KOs

Assim como Mesquita, Anderson Clayton lutou apenas uma vez em 2008, e acabou derrotado. Pantera perdeu para o cazaque Vitaliy Demyanenko por pontos, subindo ao ringue na casa do adversário.
 

Juliano Ramos
Categoria: Meio-médios
Cartel não confirmado: 15-2, 12 KOs

Com uma derrota sofrida frente à revelação norte-americana Mike Jones, o ano não foi bom para o brasileiro que mora nos EUA. Juliano, que vem fazendo a carreira na terra do Tio Sam desde 2002, foi nocauteado pelo lutador local no 6º assalto.

Balanço do pugilista: “O ano passado não foi muito bom para a minha carreira, pois tenho que trabalhar para me sustentar aqui nos EUA, e estou sem muitas perspectivas para 2009. Espero apenas lutar como oponente, ou seja, em algum evento onde supostamente eu seja o azarão. A minha esperança é ganhar uma luta dessas, lutando na casa de alguém, para então conseguir uma chance de poder voltas a me dedicar exclusivamente ao boxe”
 

Luciano “Olho de Tigre” Silva
Categoria: Super-leves
Cartel confirmado: 15-1, 6 KOs

Com uma luta e uma vitória, o baiano é outro pugilista que precisa aumentar seu número de exibições. Sua única apresentação ocorreu em maio, e Olho de Tigre bateu o argentino Juan Marcelo Gimenez por pontos. Atualmente ele está em São Paulo, onde está treinando e espera lutar no dia 31, possivelmente pelo título brasileiro.

Balanço do pugilista: “Graças a Deus, 2008 foi tudo bem. Não tiveram lutas para mim, mas conquistei alguns objetivos, como patrocínio, além de ter feito uma luta internacional. Em 2009, já com uma nova equipe, espero um ano de conquistas para minha vida no esporte, bem como outros títulos e outras lutas contra bons oponentes”
 

Claudinei “Casca” Lacerda
Categoria: Leves
Cartel confirmado pelo pugilista: 10-1, 8 KOs

O ano foi de muitas conquistas para o catarinense Claudinei Lacerda. Profissional desde 2004, Casca derrotou, em abril, Carmelito de Jesus, o “Binho”, numa das melhores lutas realizadas no Brasil em 2008. Com a vitória, ele conquistou o cinturão brasileiro dos leves, além de tirar a invencibilidade de seu oponente baiano. Já em setembro, Casca bateu o argentino Diego Madole, conquistando a coroa latina interina do CMB. Segundo informações divulgadas na época desse combate, o catarinense deve enfrentar o panamenho Ameth Diaz, campeão latino regular pela entidade, no começo de 2009. Caso Diaz se recuse a lutar, Casca se tornará campeão efetivo.
 

Carmelito de Jesus, o “Binho”
Categoria: Leves
Cartel confirmado: 11-1, 9 KOs

Outro boxeador talentoso vindo da Bahia, Binho acabou perdendo o “zero” do cartel no ano passado, ao ser derrotado por Casca. Após ficar quase 8 meses sem combater, retornou ao quadrilátero com sucesso, vencendo Adilson Rosa. Com apenas 24 anos, o pugilista ainda é uma boa aposta para o futuro.


Josenílson dos Santos, o “Jô”
Categoria: Super-penas
Cartel confirmado pelo pugilista: 10-0, 7 KOs

Com 5 vitórias e 4 nocautes, o ano foi ótimo para Josenílson. Outro baiano no cenário brasileiro, Jó se tornou campeão brasileiro pelo CNB, ao bater Renato Pedro em junho, e campeão latino interino pela OMB, ao derrotar o argentino Alejandro Burella Ciacia. Essa última conquista colocou Jó na 15ª posição do rankeamento da entidade, o que enche de confiança do lutador para o ano novo.

Balanço do pugilista: “Esse ano de 2008 foi muito especial para mim. Foi um ano que eu não esperava ser campeão latino, pois achei que seria um título para ser disputado em 2009. Porém, veio na hora certa. Agora espero ser convidado para disputar um mundial, que seria o título mais importante. Espero ser campeão do mundo. Sei que é difícil, mas estou treinando muito para não fazer feio. Também estou estudando a oportunidade de ir treinar no México, juntamente com o Carlão”
 

Adaílton “Precipício” de Jesus
Categoria: Super-penas
Cartel confirmado: 22-3, 17 KOs

Com 3 lutas e 3 vitórias contra adversários de menor expressão, o grande momento de Adaílton talvez tenho sido a chance de disputar um título mundial. Em dezembro, por pouco Precipício não assinou contrato para enfrentar o britânico Nicky Cook na Inglaterra, em embate que ele teria grandes chances de retornar com a cinta de campeão da OMB. Porém, com o adoecimento dos pugilistas e problemas nos bastidores, dificilmente Adaílton será o adversário a ficar frente a frente com Cook em sua primeira defesa como campeão mundial, uma vez que no exterior estão especulando fortemente o nome do porto-riquenho Ramon Martinez.

Balanço do pugilista: “Em 2008 tive muitas decepções, mas aprendi que no Brasil não preciso de empresário ou estar ligado a um contrato para lutar. Porém, lá fora eu preciso, mas resolvi que aqui não vou mais assinar com ninguém. Também tive a decepção com um amigo que estava de maldades comigo, querendo que eu perdesse e falando que iria fazer minha carreira, até mesmo arranjou um título do mundo, só que como deu errado, ele me descartou. Agora, segundo Servílio de Oliveira, eu devo lutar até março, e haverá várias lutas pra mim. Aqui eu lutarei sem contrato, mas lá fora pagarei a porcentagem dele e lutarei por títulos. Espero que tragam lutadores sul-americanos para eu enfrentar valendo algum título latino, ou mercosul. Estou na expectativa, bem treinado como sempre e acho que estarei na melhor condição física e técnica em breve. Outra reclamação minha é o fato de não terem colocado no BoxRec a minha vitória sobre o Genival dos Santos, até agora estão enrolando, mas não tem problema, pois tenho o DVD da luta e pretendo falar para o Servílio mandar”
 

Edelson “Coração Valente” dos Santos
Categoria: Penas
Cartel confirmado pelo pugilista: 8-0, 8 KOs

Excelente revelação, Edélson conseguiu, em 2008, manter o cartel perfeito, conseguindo 3 nocautes em suas 3 lutas feitas. Com boas apresentações, o Coração Valente já está preparado para disputar títulos menores e até mesmo ter alguma experiência no exterior, caso surja a oportunidade.

Balanço do pugilista: “O ano de 2008 foi bom. Eu estava com saúde e isso é o mais importante. Agora, no esporte não foi muito bom não, por falta de luta e patrocínio. Já nesse ano estou confiante, espero que seja melhor e que olhem para as potências que o Brasil tem”


Giovanni Andrade
Categoria: Penas
Cartel não confirmado: 59-11, 48 KOs

Aos 38 anos de idade, o experiente Giovanni Andrade obteve 2 vitórias na temporada passada, em lutas válidas pelo título brasileiro dos penas pelo CNB e pelo cinturão da pouco propagada Comissão Mundial de Boxe. Mesmo com os sucessos, ainda é muito pouco. Giovanni, que no passado enfrentou lutadores como Rey Bautista e Juan Manuel Lopez, precisa fazer muito mais, caso ainda queira atingir objetivos mais elevados como boxeador. Uma opção seria enfrentar alguma das diversas revelações que surgiram nas categorias mais baixas.

Balanço do pugilista: “Esse ano de 2008 foi muito bom, pude realizar o que tanto buscava e conquistei alguns títulos importantes. Muitas coisas boas aconteceram. Aproveito para desejar um excelente 2009 para todos”


Carlos “Furacão” Oliveira
Categoria: Penas
Cartel confirmado: 23-1, 18 KOs

Talvez um dos pugilistas melhor preparados para grandes disputas em 2009, Carlinhos subiu ao quadrilátero apenas duas vezes na temporada passada. Logo em janeiro, nocauteou Renato Pedro. Em julho, tinha confronto marcado frente ao queniano Sande Otieno, porém acabou adoecendo na semana do combate, que seria válido pelo cinturão internacional do CMB. Após quase 11 meses afastado, Furacão retornou em dezembro, quando enfrentou o experiente paraguaio Feliciano Azuaga Ledesma. Em bela apresentação, Carlinhos nocauteou seu oponente no 6º round, conquistando o título Fedebol da AMB e mostrando que vem com tudo para buscar grandes confrontos em 2009.

Balanço do pugilista: “Para mim, 2008 foi bom por um lado, mas ruim por outro. No começo do ano perdi minha mãe, e no decorrer do ano fiquei adoentado e tive que cancelar minha luta pelo CMB. Continuei firme e forte, e logo depois pude conquistar o título Fedebol da AMB. Só tenho a agradecer, primeiramente à minha esposa Cidinha, ao meu treinador Michel Carvalho, a todos aos meus amigos que me ajudaram e até mesmo àqueles que torcem contra, porque isso a cada dia que passa só me faz fortalecer. Deus tem me dado muita força, garra, determinação e acima de tudo humildade para que eu conquiste meus objetivos, e o que eu puder fazer para representar nosso país, farei com muito orgulho, sempre procurando fazer minha parte como atleta e como homem, sem críticas, e sempre torcendo para que meus companheiros de profissão também consigam atingir seus objetivos”
 

Alex de Oliveira
Categoria: Super-galos
Cartel confirmado: 13-0, 11 KOs

Grande revelação brasileira, o super-galo Alex de Oliveira fez 5 lutas, vencendo 3 por nocaute. Os maiores destaques entre essas lutas foram suas apresentações válidas pelo cinturão latino da OMB. Na primeira, Alex bateu o argentino Claudio Rosendo Tapia, por pontos. Na segunda, nocauteou o também argentino Victor Caruso no 1º assalto, em excelente performance. Oportunidades devem aparecer neste novo ano para o baiano, que tem tudo para brilhar e evoluir ainda mais.

Balanço do pugilista: “O ano de 2008 para mim foi muito bom, mesmo com algumas dificuldades para lutar por conta de adiamentos , mas isso faz parte da nossa profissão. Foi um ano de muitas vitórias e conquistas, e espero que em 2009 eu venha a conquistar novos títulos, incluindo o máximo, que seria uma disputa de mundial. Estou me preparando para isso”


Cléber dos Santos
Categoria: Galos
Cartel não confirmado: 8-0, 5 KOs

Mais um representante do Pará, Cléber dos Santos conquistou 4 vitórias no ano passado. As mais expressivas foram contra William Prado, pelo cinturão brasileiro da categoria, versão CNB, e contra o argentino Diego Damian Loto.


Wilson “Tsunami” Simão
Categoria: Super-moscas
Cartel confirmado pelo pugilista: 11-0, 8 KOs

Com 4 lutas e 4 vitórias, a boa revelação das categorias inferiores já está pronta para lutas maiores e pode defender seu título de campeão brasileiro pela CBBoxe neste ano. Tsunami não tem muitos adversário de sua categoria no país, cujo último nome conhecido era o de Edílson Lima, o Dilsinho. Para que Wilson possa continuar evoluindo, deve fazer mais combates, e contra oponentes gabaritados, para que não seja apenas mais uma promessa que acaba ficando pelo caminho.

Balanço do pugilista: “O ano de 2008 foi nota dez, fiz 5 lutas, todas elas positivas e preparatórias para a defesa do cinturão, que acredito que saia no início deste ano, contra Herbert Matos, de Brasília. Para 2009 espero fazer a mesma quantidade de lutas, e poder disputar o título latino dos moscas ou super-moscas, quem sabe até junho, para eu entrar no ranking mundial. Espero de verdade que eu possa dar continuidade às competições, pois sem apoio está muito difícil, e já estou chegando ao meu limite. Assim também foi quando eu era amador, pois me profissionalizei por falta de apoio. Conciliar trabalho com treino é muito complicado, e espero estar optando pelo boxe”


Olimpíadas e Boxe Amador

Infelizmente, não foi dessa vez que o Brasil quebrou o tabu de conquistar sua segunda medalha olímpica no pugilismo. Seis pugilistas integraram a seleção tupiniquim que se apresentou nos Jogos de Pequim: Paulo Carvalho (48 kg), Robenílson Vieira (51 kg), Robson Conceição (57 kg), Everton Lopes (60 kg), Myke Carvalho (64 kg) e Washington Silva (81 kg). Washington e Paulo chegaram até às quartas-de-final, não conquistando uma insígnia por apenas uma vitória. Já Robenílson foi eliminado nas oitavas, enquanto os outros três lutadores não passaram da primeira luta.

O ano de 2008 serviu como aprendizado. Mais uma vez o Brasil mostrou que tem talento, porém, este não é devidamente aproveitado. Porém, elogios quanto à organização de campeonatos brasileiros de boxe amador nas categorias de base não podem faltar. Mesmo sendo um investimento de médio/longo prazo, quanto antes os talentos começarem a ser lapidados, maior a chance dos frutos passarem a ser colhidos com maior freqüência.

Boxe Feminino

Nome mais conhecido do boxe feminino brasileiro, a sérvia radicada no Brasil Duda Yankovich (11-0, 5 KOs) lutou apenas uma vez em 2008, batendo a colombiana Darys Pardo nos pontos. Já a leve Halana dos Santos obteve uma vitória e uma derrota. Seu revés, por sinal, talvez tenha sido o ponto favorável de sua carreira na temporada passada. Lutando na Itália contra a atleta local Laura Tavecchio, em combate válido pelo cinturão interino da AMB, Halana foi derrotada apenas por uma margem de dois pontos na visão dos 3 juizes.

Adriana Salles (11-4-1, 5 KOs) foi outra que teve a chance de se sagrar campeã mundial, porém acabou perdendo para a alemã Ina Menzer, por pontos, na disputa do título do CMB, categoria pena. Além desse embate, Salles venceu 2 confrontos disputados aqui, e saiu derrotada em outro, realizado no Uruguai. A curitibana Rosillette dos Santos (13-4, 9 KOs) também teve sua oportunidade de conquistar a coroa da AMB dos super-moscas, mas foi superada pela argentina Carolina Gaite. Ainda em 2008, Rosillette conquistou o título da Comissão Mundial de Boxe, além de outras 2 vitórias obtidas em território nacional, e outra derrota.

Já a invicta Simone Duarte (8-0, 2 KOs) venceu duas vezes, ambas no Brasil. Muito talentosa, e apontada como futura campeã por diversas pessoas que a acompanham, Simone deverá lutar ainda este mês na cidade de Punta Del Este, no Uruguai.

Comentários