Artigos

Publicado em 30 de Janeiro de 2008 às 00h:00

A regra do jogo

Foto do autor

Autor Daniel Leal

*Matéria originalmente publicada em 30/01/2008

Dar socos no outro. Será essa a pura e simples regra do boxe? Óbvio que não, você que está lendo sabe disso. O boxe envolve muito mais do que simplesmente desferir um soco em direção ao oponente, isso é claro como a água pura.

Mas qual a regra do boxe? Ser o melhor é vencer o outro? Faço esse questionamento porque existe uma grande polêmica em torno do que faz alguém ser o melhor no boxe, e o por quê disso.

Sugar Ray Robinson, definitivamente foi o melhor pugilista de todos os tempos. Ele inventou o estilo que, anos depois, Ali e Ray Leonard copiaram, com alguns falhados tentando pelo caminho. Robinson foi a essência do pugilista, lutou com quem estava à sua frente, enfrentou o lado ruim, e desfrutou do lado bom da nobre arte.

Mas sobre Ray Robinson já falamos em uma matéria recente. O que quero dizer é que ele sabia a regra do jogo. Robinson reinventou a forma de trocar golpes, ao mesmo tempo em que se defende, da maneira mais eficaz, e eficiente, ou seja, lutava de uma forma bonita de se ver e que também dava resultado.

Só que mesmo sendo o revolucionário do boxe, Sugar Ray, o verdadeiro, é mais reconhecido por quem está mais a fundo no esporte do que pelo espectador num geral. Muitos apontam Ali como o melhor, pois este ficou em evidência muito maior. Outros, erroneamente, crêem que Rocky Marciano, por seu cartel, foi o maior. E aí entram mais duas variáveis na regra do jogo, a evidência e exposição de Ali, e o cartel de Marciano.

Ao fim das contas, de que adiantou para Ray Robinson ter sido o melhor de fato, se Ali ficou em maior evidência, e se o recorde de Marciano levou seu nome através das gerações durante todos esses anos? Adiantou para quem é fã mesmo do boxe e sabe a regra do jogo. Este mesmo fã sabe, conseqüentemente, quem foi Sugar Ray Robinson, e se Robinson foi a essência do pugilista, este admirador realmente conhece a regra do jogo!

O fã do boxe sabe que fugir da luta não é bom, mas faz parte do certame, porém evitar o confronto com certos adversários está fora das regras, além de covardia. Sabe também que, apesar do caminho sujo como o rio Tietê, o boxe é feito de sonhos de criança, verdadeiros e sinceros.

No fundo, você que está lendo e entende o que eu estou escrevendo, sabe que a regra do jogo não é complicada. No jogo do boxe, o objetivo é a glória, e no fim das contas, a simples frase que começou toda essa linha de raciocínio, “dar socos no outro”, é basicamente o caminho para isso. E você pode estar pensando, como algo tão simples pode ser tão fascinante? E eu lhe respondo com uma nova pergunta: Quem disse que as coisas boas da vida têm que ser complicadas?

Aproveitem o boxe, e saibam disputá-lo, ou admirá-lo dentro das regras do jogo...

Comentários