Artigos

Publicado em 23 de Fevereiro de 2017 às 14h:14

Del luta pelo título mundial da OMB em Abril

Foto do autor

Autor Daniel Leal


Adeilson dos Santos será o primeiro brasileiro em 10 anos a disputar uma coroa principal das quatro maiores entidades do boxe mundial. Na Califórnia, em 22 de Abril, ele encara o invicto Jesse Magdaleno, valendo cetro dos super-galos da Organização Mundial de Boxe. (Imagem: Prefeitura de Bertioga/Divulgação)

Os rumores já pairavam e vinham sendo comentados há algum tempo. Como já havíamos dito anteriormente, um brasileiro estava próximo de pelejar por um cinturão mundial e este seria Adeilson “Del” dos Santos (19-2, 15 ko's). A expectativa, no entanto, era de que seu adversário fosse Oscar Valdez, invicto detentor da cinta OMB dos penas, categoria na qual o brasileiro vinha se apresentando, é campeão latino e está rankeado em 13º pela supracitada entidade.

Porém, o boxeador bertioguense, de apenas 24 anos, acabou sendo escolhido como adversário do norte-americano Jesse Magdaleno (24-0, 17 ko's) na primeira defesa de sua coroa dos super-galos pela Organização Mundial de Boxe. Isso representa um retorno à divisão dos 55,3 kg para Del, e, ainda que esteja tabelado em um peso diferente, as regras permitem que este seja aprovado como desafiante em uma faixa de quilogramas inferior à qual aparece no ranking.

Magdaleno suplantou o filipino Nonito Donaire, em Novembro, para alçar seu atual status. O jovem atleta de Las Vegas é irmão mais novo de Diego Magdaleno, que venceu outro pugilista tupiniquim, Carlinhos “Furacão” Oliveira, em 2010. É duro, de estilo aguerrido e ao mesmo tempo com boa técnica.

Patrick Nascimento, da IBG, já negociava esta oportunidade para Adeilson há algum tempo. Desde o ano passado vinha em tratativas com a Top Rank a respeito. No fim das contas acabou fazendo um melhor negócio – Magdaleno é muito bom, porém Valdez é superior. Ou seja, o brasileiro, que não entra como favorito, tem mais chances nessa, do que na outra hipotética luta.

Que fique claro que não é por ser o azarão que o combate não deveria ser acordado. Em nossa visão, esta é uma chance que merece ser aproveitada. Diferente de sair do Brasil para servir de escada para outros atletas, a contenda vale um título mundial, e isso muda tudo. Dos Santos terá que superar muitas barreiras ainda para trazer o cinto ao nosso país e tornar-se nosso quinto campeão do mundo, mas a maior delas, talvez, que é ter efetivamente a oportunidade de subir ao tablado com o monarca que detém o boldrié, já foi transpassada.

O último brasileiro a disputar uma das quatro grandes coroas principais do boxe internacional foi Carlos “Açougue” Nascimento, que em Maio de 2007 fora suplantado por Sergy Dzinziruk no 11º assalto, pelo título dos médios-ligeiros, também da OMB. Em 2011, na mesma categoria em que “Açougue” desafiara, pela mesma Organização, porém valendo apenas o reinado interino, Mike Miranda perdeu para Zaurbek Baysangurov, na Ucrânia. Já na vertente feminina do esporte de luvas, Simone Duarte (15-10, 6 ko's) dividiu o quadrilátero com Yazmin Rivas, no México, em 2015, quando foi superada em imbróglio aonde estava em jogo a cinta das pesos-galo pelo CMB.

Como se percebe, a nobre arte em nosso país é carente em aberturas deste tipo. Muito disso vem da maneira errada como se conduzem as carreiras de nossos atletas. Que isso mude em breve, e que Del possa fazer parte desta mudança. É muito complicado, mas o primeiro passo já foi dado.

Vale notar que, há algumas semanas, Dos Santos e sua equipe fizeram uma ótima escolha e viajaram à Las Vegas, aonde estão se preparando. Sob o comando de Edson “Xuxa” Nascimento, seu técnico, tem treinado entre os melhores, inclusive fazendo sparrings com o campeão mundial dos leves, Jorge Linares.

Comentários