Artigos

Publicado em 06 de Janeiro de 2016 às 19h:42

Precipitação, ou oportunidade? Willian Silva encara maior desafio brasileiro dos últimos anos, em Fevereiro

Foto do autor

Autor Daniel Leal


Imagem: Top Rank/ESPN

Talentoso pugilista nacional entrará em confronto com Felix Verdejo, uma das maiores estrelas ascendentes do boxe mundial!
 

O dia 27 de Fevereiro poderá ser uma data muito especial para a nobre arte de nosso país. Isso porque, em preliminar do evento em que Terence Crawford (27-0, 19 ko's) colocará sua cinta OMB dos meio-médios-ligeiros em jogo, provavelmente diante de Henry Lundy (26-5-1, 13 ko's), o brasileiro Willian Silva (23-0, 14 ko's), atual ocupante da 15ª posição no ranking da Organização Mundial de Boxe nos pesos-leves, adentrará o quadrilátero para confrontar o campeão latino desta mesma entidade, e uma das maiores promessas do pugilismo atual, Felix Verdejo (19-0, 14 ko's), de Porto Rico. O combate não só vale o título de Verdejo, mas o futuro e a invencibilidade de ambos.

Contratado pela Top Rank, uma das maiores promotoras do mundo, Silva teve a oportunidade de mostrar seu talento sob a tutela da empresa em duas ocasiões, vencendo, e convencendo, em ambas. Porém o porto-riquenho é simplesmente a menina dos olhos da mesma Top Rank. Bob Arum, CEO da companhia, não esconde seus planos para que tanto ele quanto Crawford, headliner do evento, tomem o lugar de extremo prestígio e lucratividade que Manny Pacquiao ocupa atualmente, quando este se retirar, em breve, do boxe.

Claro que Willian não deveria fugir do desafio, ainda mais que uma vitória lhe dará toda uma visibilidade diferenciada internacionalmente, o colocando, muito provavelmente, na disputa de um título mundial na sequência. Acontece que Verdejo tem a carreira estruturada e planejada a mais tempo do que Silva, que, como todo brasileiro, sofreu durante boa parte de sua trajetória as mazelas que nossos pugilistas enfrentam. Talvez com um pouco mais de tempo nos Estados Unidos, e algumas lutas, o favoritismo do atual campeão latino fosse menor. De qualquer forma, estaremos na torcida por nosso atleta que, se vencer, alcançará a maior vitória tupiniquim no boxe profissional desde 2006, quando Popó venceu Zahir Raheem e conquistou seu quarto título do mundo.

Entretanto, como diz o ditado, prudência e canja de galinha não fazem mal a ninguém. Se bem que, homens prudentes construíram o Titanic, enquanto alguns mais imprudentes descobriram o fogo...

Comentários