Notícias

Publicado em 07 de Setembro de 2017 às 09h:19

Cris Cyborg obtém licença de boxe na Califórnia

Foto do autor

Autor Daniel Leal

Brasileira pode seguir passos de Conor McGregor e migrar para o pugilismo, se quiser. Ela já está autorizada pela comissão atlética da Califórnia. Recentemente, Cyborg declarou que aceitaria uma disputa na nobre arte, assim como seu companheiro de UFC fez. (Imagem: lowkickmma.com)

Parece que o movimento migratório das artes marciais mistas para o boxe pode não terminar tão cedo. Segundo o “Boxing Clever”, através do BoxingScene.com, a brasileira Cris “Cyborg” Justino (18-1, no MMA) obteve licença para tornar-se boxeadora profissional no Estado da Califórnia.

Recentemente, Cyborg esteve no camp de treinamentos de Claressa Shields, antes da americana conquistar seus primeiros cetros mundialistas, em Agosto, diante de Nikki Adler. Ambas se ajudaram e a bicampeã olímpica tornou-se amiga da brasileira, que detém atualmente o cinturão peso-pena do Ultimate Fighting Championship.

Previamente ao confronto entre Floyd Mayweather Jr e Conor McGregor, Cris reconheceu que seu companheiro de UFC não teria chances, citando sua experiência nos sparrings contra Shields como referência. Ainda assim afirmou que “definitivamente boxearia se tivesse uma oportunidade como a de McGregor”. Vale lembrar que já se cogitou um confronto entre ela e a multicampeã Cecilia Brækhus, nas regras do Conde de Queensberry, no ano passado.

Além do irlandês, Stipe Miocic, atual campeão dos pesados do Ultimate, José Aldo, ex-campeão dos penas, e Anderson Silva, legendário ex-campeão dos médios, já declararam seu interesse em atuar na nobre arte. Nós já discutimos os porquês dessas migrações anteriormente, clique aqui se você quiser conferir.

Fato é que o contrato de Justino com o UFC se encerra, segundo a fonte, em Outubro. Obter uma licença de boxe neste momento pode ser uma maneira de pressionar seus promotores a melhorarem a oferta de uma renovação, afinal, com o atual ressurgimento da vertente feminina do esporte de luvas nos EUA, alguns combates lucrativos poderiam aguardar a curitibana nos ringues. Se ela fará esta migração, ou se permanecerá no octógono para, possivelmente, encarar a ex-boxeadora Holly Holm, ainda é um mistério.

Comentários