Pós-Luta

Publicado em 03 de Dezembro de 2017 às 03h:27

Com derrota por pontos, Cotto deixa os ringues

Foto do autor

Autor Daniel Leal

O porto-riquenho aposentou-se no Madison Square Garden com revés diante de Sadam Ali. No entanto, mesmo derrotado, pôde deixar o tablado de cabeça erguida. Em evento realizado em Santos e transmitido pelo Round13, Pitbull obteve nova vitória sobre o valente Helio Sabotagem. (Imagem: MIKE EHRMANN/GETTY IMAGES)

Miguel Cotto (41-6, 33 ko's) colocou em jogo seu cetro OMB dos médios-ligeiros em sua última apresentação profissional diante de Sadam Ali (26-1, 14 ko's), na madrugada deste sábado, no Madison Square Garden, em Nova Iorque, saiu vencido nos pontos, porém jamais derrotado. Aos 37 anos, seis vezes campeão mundial em quatro divisões distintas, ficou claro que já era mesmo hora de deixar somente na história seus feitos, apesar de demonstrar sua habilidade, mesmo em desvantagem no placar dos jurados.

A luta começou movimentada, com Ali bastante motivado e Cotto querendo encontrar seu timing. No segundo round, Miguel sentiu um belo direto e balançou. O campeão começou a ser mais efetivo na terceira rodada, defendendo-se melhor, mas, logo no início da quarta, foi pego por um cruzado de esquerda surpreendente e sentiu, voltando a balançar novamente no último minuto após uma direita bem aplicada.

Miguel Cotto veio mais incisivo para o segundo terço da contenda, procurando encurralar e atingir o corpo de seu oponente. Como os grandes são sempre grandes, o porto-riquenho inverteu o momentum a seu favor e no sexto assalto finalmente fez Ali sentir um direto e assustar-se. O domínio do hexacampeão foi claro nesta hora, tanto técnica quanto psicologicamente.

Ali melhorou nos intervalos finais e conseguiu bons momentos. Porém Miguel estava com seus reflexos em dia e impediu uma parte considerável de algumas das investidas. O elegante caminhar de Cotto foi decisivo na segunda metade do imbróglio para confundir o americano, que teve de entrar com tudo para os minutos derradeiros, nos quais foi ligeiramente superior por simplesmente conseguir conectar mais.

Os scores demonstraram 115-113 (duas vezes) e 116-112 para Sadam Ali. Em nossa pontuação, Ali também levou vantagem com 115-113. Para Daniel Fucs, comentarista e árbitro internacional, no entanto, Cotto vencera por 118-110. Consultamos o BoxingScene.com, do qual somos correspondentes, para verificar que em sua papeleta online este enxergou o confronto da mesma forma que o Round13. Para nós, apesar de ótimos momentos e muita virtuosidade demonstrada, faltou ao legendário boxeador de Porto Rico simplesmente acertar mais.

Mesmo na derrota, Cotto demonstrou sua grandiosidade, sequer contestando o anúncio de seu revés, e despedindo-se sem dar desculpas, apesar de uma lesão indicada no bíceps esquerdo, aceitando, portanto, a decisão dos jurados.

Na principal preliminar, Rey Vargas (31-0, 22 ko's) defendeu pela segunda vez seu título mundial dos super-galos pelo CMB ao tirar a invencibilidade de Oscar Negrete (17-1, 7 ko's) após uma dura batalha em doze giros. Com scores de 119-109 (duas vezes) e 120-108, Vargas confirmou o favoritismo amplo, apesar dos bons momentos do desafiante.

Em outra semifinal, Angel Acosta (17-1, 17 ko's) derrotou Juan Alejo (24-5-1, 14 ko's) em peleja válida pela coroa OMB dos moscas-ligeiros, que estava vaga. Acosta derrubou Alejo no décimo período e Juan não conseguiu retornar. O porto-riquenho Angel tornou-se campeão mundial pela primeira vez.

O evento foi transmitido, ao vivo, para o Brasil, através do SporTV3.

Em Santos, Pitbull domina e vence por pontos

Na última Noitada de Boxe do Grêmio Memorial em 2017, Carlos Henrique “Pitbull” (6-0, 5 ko's) ouviu o soar final do gongo pela primeira vez ao conceder revanche ao duríssimo Helio Sabotagem (2-2, 1 ko's) na noite desta sexta no Ginásio Rebouças, em Santos, litoral de São Paulo.

Pitbull não teve problemas para controlar as ações, apesar da valentia de Sabotagem, que recusou-se a parar de andar para frente e soltar golpes fortes. A defesa de Carlos Henrique, no entanto, frustrou quase todas as tentativas de Helio, que por sua vez aguentou muitos punches poderosos e precisos durante os seis assaltos do confronto.

Com placares de 60-54 em todas as papeletas e também na nossa contagem, Pitbull vence e credencia-se para a disputa do cinturão brasileiro dos super-galos, que deve ocorrer em 27 de Janeiro, conforme informado em nossa transmissão do evento completo através do YoutTube.

Na principal preliminar, Felipe Pedroso (16-3, 14 ko's) teve muito mais trabalho para suplantar Luiz Carlos Almeida (5-4, 4 ko's) do que na primeira vez em que se encontraram. Naquela ocasião, em 2013, Pedroso venceu por nocaute no quarto giro. Dessa vez, só conseguiu a interrupção no oitavo e último round, isso após ter que virar a luta nos pontos, já que perdeu os primeiros intervalos. Com o êxito, Pedroso se recupera da derrota sofrida na Argentina, em Setembro.

O super-médio Lucas de Abreu (8-0, 8 ko's) somou mais um nocaute ao transpassar o resiliente Paulo Santos (3-10-2, 3 ko's) no terceiro período da peleja. Lucas foi superior o tempo todo, apesar de ter tomado bons contragolpes esporádicos, que vinham com veneno. Santos mantinha-se bem fechado em todos os momentos, o que alongou seu próprio castigo. De Abreu furava a guarda de seu oposto constantemente e castigou muito o corpo. Depois de sofrer um knockdown e retornar, Paulo finalmente sucumbiu após sequência poderosa. O último golpe passou no vazio, o que demonstrou o quanto de dano acumulado já havia sofrido antes de ir ao solo de novo.

Em disputa de pesos-pesados, Igor Adiel (1-0, 1 ko's) estreou com vitória no boxe profissional ao passar por Diogo Conceição (0-2). Adiel dominava quando foi derrubado na segunda passagem com um poderoso cruzado. Mesmo “grogue” conseguiu não só voltar como derrubar Conceição mais duas vezes naquele mesmo assalto. No round seguinte, Igor, melhor tecnicamente desde o início, conseguiu obrigar o árbitro a encerrar as ações.

No confronto inicial entre os profissionais, Wendel Rafael (2-0-1, 0 ko's) ficou no empate contra o estreante Clecio Gomes (0-0-1) pelos pesos-leves. Os pugilistas alternaram a liderança a cada período, resultado em placares de 38-38 (duas vezes e idem á nossa pontuação) e um 39-38 depois dos quatro giros pactuados.

O evento ainda contou com três combates amadores realizados entre atletas do Coliseu Boxe Center, que deram um show à parte, e foi um oferecimento de Memorial Necrópole Ecumênica com apoio da Prefeitura de Santos, Promifae e Beneficência Portuguesa de Santos. A supervisão ficou a cargo do Conselho Nacional de Boxe.

Comentários