Pós-Luta

Publicado em 20 de Agosto de 2017 às 01h:05

Crawford brilhante, novamente!

Foto do autor

Autor Daniel Leal

Americano unificou todos os cinturões do super-leves, tornando-se o segundo na história à fazer isso. Mais importante, tirou a invencibilidade de Julius Indongo de forma impressionante e tem o caminho rumo à alcunha de melhor lutador libra-por-libra do mundo totalmente aberto. (Imagem: Steve Marcus/Getty Images)

Terence Crawford (32-0, 23 ko's) e Julius Indongo (22-1, 11 ko's) protagonizaram a primeira luta com os quatro principais títulos mundiais em jogo – AMB, CMB, FIB e OMB – desde 2005, quando Jermain Taylor e Bernad Hopkins o fizeram, com vitória do primeiro, que tornou-se, na época, campeão indiscutível dos médios. Agora, pela primeira vez na história dos superleves (63,5 kg), temos um monarca possuindo todos os boldriés das entidades regentes do boxe na atualidade.

O público que lotou a Pinnacle Bank Arena, em Lincoln, Nebraska, foi testemunha de um primeiro assalto de estudos nos momentos iniciais e iniciativa posterior. Ambos conectaram socos fortes, com o pugilista da casa tendo mais movimentação enquanto o africano atacava com maior potência. Os golpes de Indongo o expunham muito defensivamente e Crawford contragolpeou com maestria suficiente para derrubar seu contendor no segundo giro, em um momento de desequilíbrio graças a seu posicionamento de pernas.

O bailar de Terence, que defendia o reinado CMB e OMB, era extremamente preciso e fez Julius se perder. Desta vez no corpo, os contra-ataques do estadunidense destruíram de vez sua oposição. O agora ex-campeão FIB e AMB dos meio-médios-ligeiros, sucumbiu no terceiro round e não mais levantou após receber uma esquerda maravilhosamente aplicada no fígado, enquanto “Bud” mantinha sua base de canhoto.

Uma vitória avassaladora de Terence Crawford, diante de sua torcida local, e que o cota, novamente, a ocupar o espaço de melhor lutador libra-por-libra na nobre arte atual. Tetracampeão em duas divisões de peso e ostentando todos os cintos possíveis na sua categoria, não há nada menos do que a glória aguardando por Crawford no decorrer de sua carreira. É um esgrimador impressionante, daqueles raros de se ver. Tem tudo para entrar para a história – ainda mais – se conseguir manter esse nível de exibição contra desafios ainda maiores.

Na principal preliminar, o ucraniano Oleksandr Gvozdyk (14-0, 12 ko's) e o americano Craig Baker (17-2, 13 ko's) pelejaram pelos cintos norte-americanos dos meio-pesados versões NABF (CMB) e NABO (OMB), então em posse do primeiro, e assim permanecendo.

Em um duelo que começou com certa competitividade, o poder de punch do atleta da Ucrânia fez a diferença no sexto intervalo. Um lead de direita que pegou no topo esquerdo da cabeça de Baker o levou ao solo. Mesmo levantando-se, Craig pouco pôde fazer algo, exceto fechar sua guarda e aguardar a interrupção do árbitro com a saraivada de golpes aplicada por Gvozdyk.

Prata olímpico nos jogos do Rio de Janeiro, em 2016, Shakur Stevenson (3-0, 1 ko's) dominou todas as ações de seu imbróglio diante do argentino David Paz (4-4-1, 0 ko's). Após derrubar o “hermano” na quinta passagem, a expectativa era que finalizasse a contenda pela via rápida, o que não aconteceu. Com marcações de 60-53 em todas as papeletas, Stevenson amplia seu recorde somando mais um êxito.

O brasileiro Sidney Siqueira (26-13-1, 17 ko's) começou melhor diante do favorito Mike Alvarado (38-4, 26 ko's), complicando a vida do estadunidense nos primeiros rounds. Com seus poderosos uppers, Alvarado foi mudando os rumos do confronto, até colocar um belíssimo direto de direita no queixo de Siqueira, que caiu já desacordado, com metade do quarto round percorrido, caracterizando, talvez, um dos nocautes do ano de 2017.

A transmissão para o Brasil teve início no meio do encontro de Mike Reed (23-0, 12 ko's) com Robert Frankel (35-18-1, 7 ko's). Reed teve a vantagem todo o tempo e venceu por decisão unânime dos jurados. Antes disso, os pesados Bryant Jennings (20-2, 11 ko's) e Dillian Whyte (21-1, 16 ko's) venceram seus compromissos diante de Daniel Martz (15-5-1, 12 ko's) e Malcolm Tann (24-6, 13 ko's), respectivamente, ambos por TKO.

O evento foi levado ao ar, ao vivo, para o Brasil através do SporTV3.

Comentários