Pós-Luta

Publicado em 18 de Fevereiro de 2017 às 02h:56

Esquiva vence Barboza no Texas

Foto do autor

Autor Daniel Leal


Nos pontos, após oito rounds, esta foi a 17ª vitória seguida do brasileiro que agora passará aos combates de 10 assaltos no próximo confronto, já marcado para Abril. (Imagem: Top Rank)

Esquiva Falcão (17-0, 12 ko's) superou o costarriquenho Jaime Barboza (19-11, 9 ko's), agora a pouco, em El Paso, Texas, confirmando sua 17ª vitória em sua 17ª apresentação no boxe profissional, até o momento. Sem impressionar, mas dominando as ações, nossa esperança de título mundial confirmou o favoritismo, ganhando por decisão unânime dos juízes.

Barboza começou com golpes duros, procurando assustar Falcão, que manteve-se calmo e virou o jogo com sequências boas que sempre começavam por socos no corpo do adversário. A vantagem inicial do atleta da Costa Rica não durou nem até a metade do primeiro round, sendo dominado até o soar do gongo.

O centro-americano começou a rodada seguinte tentando manter a luta no “in fight”, e conseguiu. Ainda assim, o boxeador tupiniquim conseguia contragolpear e se aproveitar da falta de fôlego de Jaime, que já puxava o ar pesadamente ao final dos três minutos. No intervalo seguinte o domínio de Esquiva prosseguiu, principalmente através dos ataques na linha de cintura.

Mesmo com a experiência e malandragem de Barboza, que provocava e tentava manter a confiança, o quarto giro marcou mais uma vez o pugilista do Brasil muito superior. A velocidade de Falcão mostrava-se dispare e decisiva a seu favor. A valentia do oponente, no entanto, era o único fator que o deixava ficar de pé e sobreviver às sequências violentas do medalhista olímpico.

O “highlight” do sexto e sétimo assaltos foi a bronca monumental que Miguel Diaz deu em Esquiva durante as duas paradas. Na primeira, criticou o fato dele não fazer o que fora treinado anteriormente, e depois afirmou que não estaria pronto para 10 rounds de confronto. De certa forma, Diaz tinha razão, mesmo com o domínio do brasileiro em todo o combate. A movimentação de pernas, muito plantada, permitia a Barboza encurtar a distância e complicar a vida de seu pupilo.

O último gongo soou trazendo a vitória apenas nos pontos. Seu oponente comemorou o fato de ter ficado de pé, afinal, este era claramente seu objetivo. O costarriquenho mal conseguia soltar golpes nos últimos minutos. Faltou à Esquiva uma movimentação lateral mais efetiva e um uppercut mais afiado, uma vez que o lutador oposto expunha muito sua cabeça no corpo-a-corpo.

As marcações dos jurados apontaram óbvios 80-72 (duas vezes) e um 79-73, todos em favor do medalhista de prata em Londres-2012, cujo próximo passo é Scott Sigmon (28-10-2, 16 ko's), atleta que varia entre os super-médios e meio-pesados há cerca de dois anos. A última vez que Sigmon adentrou ao tablado no limite dos 72,5 kg, categoria de Esquiva, foi em Novembro de 2014 e esse fator físico deve ser levado em conta como um risco a mais para o brasileiro, que ainda assim é favorito. O confronto acontecerá em 28 de abril na cidade de Burbank, Califórnia.

É importante termos em mente que ainda há tempo para melhorar o jogo de Esquiva Falcão. A hora de errar é exatamente enquanto se está subindo degraus, pois assim virão as correções necessárias. Estas pelejas contra pugilistas tecnicamente inferiores, porém duros, servem exatamente como uma experiência valiosa. As críticas, que vêm de seu próprio corner, devem ser ouvidas e levadas em consideração para que assim, na hora em que não se possa mais cometer erros, estes sejam evitados.

A contenda em questão teve transmissão para o Brasil, ao vivo, no SporTV2.

Comentários