Pós-Luta

Publicado em 18 de Março de 2017 às 23h:21

Golovkin por pontos (e por pouco)

Foto do autor

Autor Daniel Leal

Cazaque venceu Danny Jacobs neste sábado, defendendo o título indiscutível dos médios no combate mais difícil de sua carreira até hoje. Na principal preliminar, Roman “Chocolatito” Gonzalez é surpreendido e perde invencibilidade de forma duvidosa. (Imagem: BoxingScene.com)

Gennady “GGG” Golovkin (37-0, 33 ko's) segue como o monarca absoluto da divisão dos médios, mas, desta vez Daniel Jacobs (32-2, 29 ko's) não sucumbiu diante do campeão do CMB, FIB e “Supercampeão” da Associação Mundial de Boxe perdendo uma disputa muito apertada nos pontos em uma grande batalha no Madison Square Garden, em Nova Iorque.

Golovkin começou indo pra cima, sem aguardar nada, diferente do que fez contra David Lemieux. Já Jacobs esperava as aberturas para agir. O americano conseguiu neutralizar GGG nos primeiros rounds usando de um bom jab e movimentação bem apurada. Foi assim que conseguiu acertar bons golpes no terceiro assalto.

Foi no início do quarto giro que a veia de matador de Gennady finalmente apareceu. Após aparar com seus ótimos jabs, foi com tudo para cima quando Danny fresolveu trocar de base por um segundo. Um direto de direita levou o estadunidense ao solo, que se levantou e terminou bem os três minutos.

Jacobs melhorou na sexta passagem, boxeando, sem esperar as trocas de golpes. Seus passos laterais o salvavam de ser encurralado por GGG, algo letal para qualquer lutador. Sua velocidade complicava o cazaque, principalmente quando atuava nos contra-ataques.

Com muitas trocas de golpes, o nono giro foi o mais movimentado até aquele momento, com Golovkin sabendo que não podia simplesmente aceitar o jogo de Daniel, essa luta não estava sendo como as outras! O equilíbrio do décimo intervalo mostrou exatamente isso.

O último assalto começou incerto, com ambos, em minha visão, precisando vencê-lo para garantir a vitória nos pontos. Os dois pugilistas acertaram bons socos e levaram a torcida á loucura, fechando com mais equilíbrio uma luta que foi marcada exatamente por isso.

E com placares de 115-112 (duas vezes), 114-113 (idem ao nosso), Gennady manteve seu cartel invicto e seus títulos, mas saiu do Madison Square Garden com a luta mais difícil que já provou, e talvez com uma estratégia pronta para alguém vencê-lo. Jacobs, por sua vez, sai derrotado, porém sem nenhum demérito, tendo seu valor de mercado, sem a menor dúvida, elevado, mesmo tendo sofrido um revés.

“Triple G” vence então seu melhor adversário até hoje, no profissionalismo. Ainda resta um êxito sobre alguém da nata do boxe mundial, oportunidade que busca há anos, mas nunca lhe foi dada. Em Junho, deve encarar Billy Joe Sanders, pela unificação com o cinturão OMB, único que falta em sua coleção.

Na principal preliminar, Roman “Chocolatito” Gonzalez (46-1,38 ko's), perdeu seu status de um dos principais lutadores da atualidade e o título do Conselho Mundial de Boxe nos super-moscas diante do tailandês Wisaksil “Srisaket Sor Rungvisai” Wangek (42-4-1, 38 ko's), em uma sangrenta e excitante decisão majoritária.

No primeiro round, “Chocolatito” tomou um susto, ao cair com um golpe na região das costelas. No terceiro, mais problemas para o nicaraguense, que se cortou ao sofrer uma cabeçada. Aliás, estas cabeçadas, que ocorriam de forma não-intencional, porém imprudente, por parte de Wangek, custaram-lhe um ponto no sexto giro. Recuperado, Roman conseguiu se impôr e aguentar melhor os golpes conforme o tempo ia passando.

Com trocas francas, principalmente graças a fraca defesa do pugilista da Tailândia, o confronto mudava de momentum a todo instante e o público ia à loucura. Ambos alternavam bons golpes, com o então campeão acertando os melhores, porém tomando sequências, observando um adversário que se recusava a desistir. Wisaksil também não parava de golpear, o que deve ter impressionado os jurados, que marcaram scores de 113-113 e 114-112 (duas vezes) a seu favor. O público, que vaiou, discordou deste resultado. O Round13 viu 115-111 para Gonzalez. Harold Ledderman, comentando pela HBO, também enxergou sua vitória por 114-112. O escalte oficial apontou uma diferença de cerca de 140 golpes aplicado a mais para Chocolatito.

Com tudo isso, nada menos do que uma revanche já está sendo cogitada. Polêmicas à parte, o confronto merece sim uma segunda versão, por todas as variáveis envolvidas.

Em outra semifinal, de Gonzalez, o mexicano Carlos Cuadras (35-1-1, 27 ko's), venceu David Carmona (20-3-5, 8 ko's), também do México, no limite dos 52,5 kg por pontos, com marcações em 97-93 (duas vezes), 96-94, que levantaram certo descontentamento no público. Cuadras esperava uma revanche contra Gonzalez, já que o primeiro encontro não teve um resultado indiscutível, porém tudo pode ter mudado devido ao ocorrido supracitado.

Nenhuma rede de TV brasileira dignou-se a transmitir este grande evento.

Comentários