Pós-Luta

Publicado em 25 de Junho de 2016 às 20h:05

Joshua vence e mantém "reino de terror" nos pesados

Foto do autor

Autor Daniel Leal


Anthony Joshua derrota Breazeale, defende título e mira o topo. (Imagem The Telegraph)

Em evento realizado na O2 Arena, em Londres, Inglaterra, o campeão mundial dos pesados pela FIB, Anthony Joshua (17-0, 17 KOs), manteve seu reinado de terror na divisão máxima ao nocautear Dominic Breazeale (17-1, 15 Kos), que acabou conhecendo a derrota pela primeira vez em sua carreira. A vitória veio no sétimo round, talvez um pouco mais a frente do que se imaginava, mas nada que tenha sido uma denúncia contra a dominância do monarca.

Desde o primeiro minuto, Joshua estabeleceu seu jab, reinando sobre o tablado e buscando aberturas. No segundo assalto, o britânico fez seu desafiante bambear após aplicar belíssimo uppercut e quase finalizou o combate ali mesmo. Valente, Breazeale segurava-se, e tentava ataques quando encontrava alguma abertura, e isso o fez sobreviver durante algum tempo. Toda vez que o gongo soava, Dominic provocava o campeão, como quem dissesse, “você não é tão mal, ainda não caí”, o que começou a incomodar o inglês, notadamente.

O imbróglio seguia como uma grande sessão de sparring de luxo, aonde o americano parecia ter sido contratado apenas para aguentar o que quer que Anthony intentasse-lhe. Joshua parece ter cansado da brincadeira, e logo nos primeiros segundos do sétimo giro usou todas as suas armas para empurrar Breazeale às cordas e jogar sequencia fulminante, levando-o ao solo. O contendor levantou-se apenas para, poucos momentos depois, ser encurralado no corner azul, tomar nova combinação poderosa e beijar novamente a lona.

Primeira defesa do cinturão da Federação Internacional de Boxe para o pugilista bretão que declarou esperar enfrentar Tyson Fury, porém, a lesão do compatriota no tornozelo e o adiamento da luta contra Wladimir Klitschko devem fazer com que o detentor da cinta encontre-se com seu desafiante mandatório, Joseph Parker, da Nova Zelândia, em disputa interessantíssima entre dois jovens e promissores pesos-pesados.

Na principal preliminar da noite, George Groves (24-3, 18 KOs) manteve cinta internacional dos super-médios pela Associação Mundial de Boxe diante do compatriota Martin Murray (33-4-1, 16 Kos) e de forma convincente. Groves dominou a primeira metade do confronto movimentando-se e usando o jab, com combinações bastante rápidas, entrando em saindo do raio de ação de Murray, que por sua vez tinha esporádicos momentos acertando bons punches.

Ao final da sétima passagem, George finalmente fez seu oponente balançar e só não o fez beijar a lona graças ao soar do gongo. Sabedor disso, partiu para cima com maior vontade de finalizar a luta a partir daí. No nono giro, Murray chegou a quase tocar os joelhos no chão, sendo novamente salvo pelo sino. Isso despertou Martin, que chegou a encaixar um belo soco durante o décimo round, balançando seu oposto, porém, também deixou-o mais exposto à contragolpes. Isso ficou claro no derradeiro intervalo, quando Murray chegou à amparar-se nas cordas para não sofrer um knockdown.

Após percorridos todos os rounds, a clara vitória de Groves foi anunciada com scores em 118-110 unanimamente pelos três jurados. O Round13 viu a contenda em 117-111, também oara Groves, que agora torna-se o desafiante número #1 ao cinturão dos super-médios pela AMB.

Em outra semifinal, Chris Eubank Jr (23-1, 18 Kos) foi dominante e teve pouco trabalho para despachar o até então invicto Ton Duran (17-1, 7 KOS). Eubank derrubou Duran quatro vezes até ver o árbitro encerrar as ações após a última queda, ocorrida durante a 4ª rodada de embate. Com a vitória, Chris defende o título britânico dos médios e se coloca como principal nome para combater Gennady Golovkin no segundo semestre deste ano.

Vergonhosamente, nenhuma emissora brasileiro dignou-se a transmitir o combate, nem mesmo os canais fechados, que deveriam buscar agradar seus assinantes, e não levar ao ar Vts de qualquer jogo desinteressante de futebol ao ar para economizar recursos. Mas, se depender de nós, isso está para acabar… Aguardem!

Comentários