Pós-Luta

Publicado em 28 de Outubro de 2017 às 20h:21

Joshua vence por nocaute técnico diante de um valente Takam

Foto do autor

Autor Daniel Leal

Anthony Joshua fez o esperado, nocauteou o substituto de última hora, Carlos Takam, em Cardiff, País de Gales, e defendeu o título mundial dos pesos-pesados pela AMB/FIB na frente dos mais de 70 mil expectadores presentes. A valentia do desafiante e a precipitação do árbitro, no entanto, quase roubaram o show. (Imagem: Viagogo)

O bicampeão dos pesados, Anthony Joshua (20-0, 20 ko's) manteve seu status, dessa vez em Cardiff, no País de Gales, defendendo seus cetros AMB e FIB na divisão máxima da nobre arte ao forçar uma interrupção sobre o camaronês Carlos Takam (35-4-1, 27 ko's), que substituiu a poucos dias o desafiante mandatório Kubrat Pulev, após este sofrer uma lesão durante os treinamentos.

O britânico começou apenas estudando o desafiante, apenas para pegar a distância correta, sem sofrer investidas. Uma cabeçada causou lesão no nariz de Joshua durante a segunda passagem, fazendo-o partir um pouco mais pra cima, acertando alguns bons golpes, por consequência.

Mais solto, Takam acertou dois bons cruzados no terceiro giro, talvez aproveitando-se de uma baixa no psicológico do campeão, causada pela lesão preocupante para sua respiração. O contendor estava a vontade até a primeira metade da quarta rodada, quando Anthony colocou bela sequência, causando um corte no supercílio direito de seu oponente e, posteriormente, levou-o à lona com uma esquerda bem aplicada. Carlos sobreviveu e voltou para o quinto intervalo.

Sentindo cheiro de sangue, Joshua foi pra cima já nos primeiros segundos, mas o africano radicado na França consegui sobreviver às violentas investidas do pugilista do Reino Unido, principalmente usando os pêndulos para defender-se.

A luta seguiu com o domínio do monarca, que, curiosamente, parecia cada vez mais cansado, possivelmente pelo ganho excessivo de massa muscular. No décimo assalto, quando “AJ” estava aplicando alguns socos de forma limpa, o árbitro interrompeu, em nossa visão, prematuramente, o imbróglio. Takam ainda estava se esquivando e parecia que conseguiria manter-se de pé, apesar de também dar a impressão de que seria uma questão de volume de ataque e de tempo para que fosse finalizado.

Uma luta um pouco abaixo do esperado para Joshua e acima das expectativas da parte de Carlos Takam, que sai de cabeça erguida, mesmo que não tenha vencido nenhuma passagem. Agora, a estrela da Inglaterra deve buscar a unificação dos títulos que ainda restam na categoria, em 2018.

Na principal preliminar, o britânico Dillian Whyte (22-1, 16 ko's), ex-rival de Joshua, dominou o finlandês Robert Helenius (25-2, 16 ko's) para vencer nos pontos. Com placares em 119-109 (duas vezes) e 118-110, ele levou para casa o cetro “Silver” do Conselho Mundial de Boxe.

A irlandesa Katie Taylor (7-0, 4 ko's) agarrou a primeira oportunidade de sagrar-se campeã do mundo como profissional vencendo a argentina Anahi Sanchez (17-3, 9 ko's), por decisão unânime, arrebatando assim o título mundial das pesos-leves pela AMB, que só estava em jogo para a primeira já que Anahi não havia batido o peso durante a pesagem oficial. Taylor derrubou Sanchez no segundo round e dominou as ações quase que inteiramente para garantir 99-90 em todas as papeletas.

O super-mosca inglês, Khalid Yafai (23-0, 14 ko's) defendeu pela segunda vez seu reinado pela Associação Mundial de Boxe ao vencer o campeão japonês da categoria, Sho Ishida (24-1, 13 ko's) após duros 12 assaltos de confrontos. As marcações ficaram em 118-110 e 116-112 (duas vezes).

Comentários