Pós-Luta

Publicado em 03 de Outubro de 2015 às 23h:22

Matthysse tem mais uma vez o mundial negado! Postol vence em excepcional performance.

Foto do autor

Autor Daniel Leal

O argentino Lucas Matthysse (37-4, 34 ko’s) já foi campeão “Silver” e interino, mas nunca havia alçado o posto máximo de sua categoria. Nada mudou neste sábado á noite, quando não conseguiu conquistar, aos 33 anos, seu primeiro cinturão. Isso porque ele acabou sofrendo um nocaute das mãos do ucraniano Viktor Postol (28-0, 12 ko’s), no StubHub Center, em Carson, Califórnia, durante o 10º assalto,  que acabou sagrando-se campeão mundial dos meio-médios-ligeiros pelo CMB, e mostrou o porquê dele, e não seu oponente, ser o lutador melhor rankeado até antes da peleja.

A contenda começou com Postol em clara estratégia de manter-se á distância e Matthysse tentando ir para o “in fight”, buscando golpes no tronco como principal ferramenta para seu intento. No segundo round o ucraniano resolveu soltar mais sua direita ao invés de manter apenas o jab, e acabou tendo mais êxito, ao ver o seu oponente não conseguir entrar no corpo a corpo.

Em um terceiro giro de um pouco mais ação, Matthysse, muito frustrado por não conseguir lutar de forma mais próxima ao seu adversário, acabou acertando golpes potentes esporádicos e não muito limpos. Isso fez com que Postol voltasse tentando mais combinações de jab-direto-cruzado na passagem seguinte, sempre se utilizando do clinch quando o “hermano” se aproximava.

As coisas esquentaram ligeiramente no 5º assalto, mas o cenário não se modificou: O ucraniano usava sua altura á seu favor, e o argentino tentava acertar ao menos o corpo. Finalmente, no sexto round, as direitas de Matthysse passaram a entrar, o que tornou este seu melhor intervalo até então.

Na sétima rodada, Lucas conseguiu, logo de cara, balançar Viktor, após sequência de direita-esquerda em cruzado, interrompida após cabeçada, aparentemente, acidental, além de conectar punches mais fortes ainda durante o restante dos 3 minutos.

Utilizando a tática “bate e sai”, Postol melhorou muito no 8º giro, e ainda fez Matthysse sentir um grande direto. O mesmo cenário se repetiu na passagem seguinte, com o argentino soltando pouco volume de golpes, totalmente o oposto do número #1 do ranking CMB, naquele momento, que aplicava combinações constantes.

O décimo round começou com Lucas Matthysse tentando melhorar em algo, mas sem eficácia, enquanto o agora novo campeão aguardava as ações do pugilista do outro corner. Isto deu muito certo. Após se expor demais, o argentino acabou sendo pego em um belo “counter” de direita, ajoelhou na lona, e de lá ouviu o árbitro contar até 10. Após o encerramento, declarou á HBO americana que sentiu algo no olho, e decidiu que não valia á pena retornar ao confronto.

De um forma, ou de outra, belíssima vitória de Postol, que apresentou-se muito bem, merecendo o título conquistado. Já Matthysse sentiu muito a diferença de altura (demais para quem teve Yamaguchi Falcão e Patrick Teixeira como parceiros de treino), e demonstrou um boxe muito abaixo do que este nível de competição demanda. Mesmo se continuasse no combate, o argentino provavelmente seria derrotado nos pontos. Até a rodada anterior, para se ter uma ideia, Viktor liderava por 86-85 em nossa marcação.

Na principal preliminar, o peso-leve mexicano Antonio Orozco (23-0, 15 ko’s) bateu seu compatriota e veterano Humberto Soto (65-9-2, 35 ko’s), por decisão unânime após 10 rodadas. Orozco foi melhor, mas as marcações em 97-92 (duas vezes) e 98-91 soaram ligeiramente exageradas. O Round13 viu a contenda em 96-93 á favor do vencedor, que se mantém invicto.

Comentários