Pós-Luta

Publicado em 22 de Janeiro de 2017 às 15h:22

O Boxing For You foi um sucesso?

Foto do autor

Autor Daniel Leal


Evento que tem como meta ser um marco divisor na história do boxe nacional ocorreu ontem, em Sorocaba. Na principal luta da noite, e uma das maiores em todos os tempos no Brasil, Paulo Soares venceu Daniel Araújo. Nos pesados, Leandro Rufino venceu por nocaute e é o desafiante obrigatório de Raphael Zumbano pelo título brasileiro. O Round13 cobriu a programação e conta para você todos os detalhes! (Imagem: Montagem R13)

Sim! Essa é a resposta para a pergunta feita no título. O Boxing For You, realizado no Golden Park Hotel, em Sorocaba, neste sábado, na realidade, superou todas as expectativas. O evento não poderia ter tido um melhor início. Bem estruturado, em local muito bem montado, com ar-condicionado, bar a disposição dos espectadores, banheiros limpos e até lojas de souvenir, eleva o padrão das programações pugilísticas nacionais a um patamar que poucas vezes atingimos (se é que, efetivamente, atingimos).

O público lotou o espaço, que vendia ingressos entre R$ 40,00 e R$ 60,00 para ver a nobre arte em sua melhor forma no Brasil, como há muito não se via em se tratando de lutadores estreantes e locais. Com lutas bem casadas, ninguém que pagou a entrada deve ter se arrependido. Uma noite digna para a plateia e para os atletas.

Além disso o BandSports transmitiu ao vivo, com seu narrador e comentarista (Wilson Baldini Jr.), presentes ao lado do ringue. A announcer Agnes Lima, começou se acostumando, cometeu poucos erros e finalizou o evento como se tivesse nascido para tal, bastante diferente de alguns que vemos por aí que não entendem nem o que falam, e inclusive confundem a arbitragem.

Igor Will (0-1) e Bruno César (1-0, 0 ko's) iniciaram as ações na noite com bastante equilíbrio no primeiro round. No segundo, quando estava melhor, Igor machucou o ombro direito e acabou indo ao solo, seu adversário acertou diversos socos com ele já caído, e a arbitragem, erroneamente, sequer advertiu Bruno, abrindo apenas a contagem.


Igor Will (esq.) enfrentando Bruno César (dir) - Imagem: Round13

Aproveitando a situação complicada do oponente, César conectou mais golpes e venceu o terceiro giro, praticamente sacramentando a vitória. Mesmo melhor no assalto derradeiro, Will não venceu em nossa contagem: 38-37 para Bruno César, apesar de não ter demonstrado os melhores recursos. As papeletas apontaram 40-35, 39-36 e 39-36, confirmando a vitória de César por decisão unânime.

Os pesos penas Almir “El Avatar” (0-1) e Wallace Moraes (1-0, 0 ko's) deram seguimento ao show. Canhoto, Wallace começou melhor, aplicando muito precisamente os punches, entrando e saindo com um ótimo timing. O mesmo cenário ocorreu nas passagens seguintes. No último intervalo, Moraes quase levou seu oposto à lona em mais de uma ocasião. Vitória fácil de Wallace Moraes por 40-36 em nossa pontuação. Na dos três jurados, idem.


Wallace Moraes entrevistado após vitória por pontos - Imagem: Round13

Tainan Marques (0-1) e Jean Carvalho (1-0, 0 ko's) fizeram revanche dos tempos de amadorismo e começaram não economizando nos golpes potentes. Carvalho era mais preciso, e Tainan tentava a todo instante encurtar a distância. Marques foi mais efetivo em seu jogo na segunda rodada, ainda que sempre tendo resposta de Jean. Caminhando melhor no tablado, Carvalho conseguia conter o ímpeto inicial do adversário, “roubando” o terceiro round para si, bem no final. O gongo derradeiro soou com êxito de Jean Carvalho em nosso scorecard por 39-37. Os árbitros de canto apontaram 39-37(duas vezes) e 40-36, vendo o mesmo vencedor de forma unânime.


Jean Carvalho venceu Tainan Marques - Imagem: Round13

Em eliminatória pelo título dos pesos-pesados, Leandro Rufino (5-0, 5 ko's) e Clayton Lyra (6-4, 5 ko's) começaram cautelosos. Lyra soltou mais nos primeiros assaltos, mas Rufino era mais preciso. Aproveitando-se disso, o sorocabano começou a colocar maior potência nos punches e fez Clayton balançar no terceiro giro e também no quarto. No quinto, ele finalmente conseguiu finalizar o confronto. Primeiro, quebrou o nariz de seu oposto com uma direita, fazendo-o sangrar a ponto da médica de ringue verificar o ferimento duas vezes. Depois, aplicou upper que fez Lyra “desisitir de ficar em pé”. O mesmo foi ao solo para não levantar mais, decretando a vitória de Rufino por nocaute aos 2:52 minutos do 5º assalto. Ele agora é o adversário obrigatório de Raphael Zumbano “Love”, pelo cinturão brasileiro da categoria máxima.


Leandro Rufino é agora desafiante obrogatório pelo título brasileiro dos pesados - Imagem: Round13

O local Marcos Lolata (1-0, 1 ko's) teve pouco trabalho contra José Conceição (0-2), vencendo por nocaute aos 2:57 minutos do primeiro round, após belo overhand de direita colocado na cabeça do adversário, para delírio da torcida presente no Golden Park Hotel.


Lolata teve pouco trabalho, vencendo no primeiro round. - Imagem: Round13

O estreante Michel de Souza (0-1) encarou Tomaz Freitas (3-0-1, 2 ko's), e não começou bem. Logo nos primeiros 3 minutos foi dominado no corpo-a-corpo e produziu muito pouco. Nada melhorou para ele no segundo intervalo. No seguinte piorou ainda mais, quando foi levado ao solo com um golpe no corpo. O quarto round marcou, finalmente, a vitória de Freitas, que obrigou o árbitro Walmir Giolli á interromper a disputa, decretando a vitória de Tomaz por TKO.


Tomaz Freitas dominou seu adversário e conseguiu o TKO - Imagem: Round13

A principal luta da noite finalizou a programação, quando Daniel “Eddie Murphy” Araujo (1-2, 1 ko's) subiu ao ringue para trocar socos com Paulo Soares (5-0, 4 ko's). O ritmo começou forte e ambos iniciaram bem, caracterizando um primeiro giro de bastante equilíbrio. O segundo assalto foi eletrizante. “Paulinho” caiu após sofrer golpe de encontro, mas reagiu na segunda metade e fez Araujo recorrer ao clinch várias vezes. Soares se recuperou no terceiro e continuou trocando bombas com seu oponente, mas acertando de forma mais efetiva. Quando parecia que já tínhamos um melhor round, o quarto veio pra ficar, quase sendo interrompido de forma errada pelo juiz, que não ouviu o gongo soar e deixou com que uma troca violenta no córner prosseguisse. Daniel se recuperou bem no quinto.

No entanto, quando “Eddie Murphy” estava melhor durante o sexto intervalo, uma interrupção para verificar um corte em Soares fez com que ele se distraísse e, no retorno, sentiu golpe caindo junto às cordas. Um knockdown para cada, ate então, e os espectadores já vibrando, sabendo que estavam sendo privilegiados por estarem ali.

O sétimo giro já demonstrava o cansaço de ambos, maior por parte do atleta da casa, porém, ainda assim, este conseguia se sobressair com punches mais fortes. A derradeira rodada marcou um Araújo mais inteiro e um Paulo indo pra cima nos segundos finais. O gongo encerrou a melhor luta da noite e uma das melhores da história do boxe brasileiro. O público levantou-se para aplaudir os atletas antes mesmo do veredito dos jurados. No nosso, Paulo Soares vencera por 77-73, no dos árbitros 78-73 (duas vezes) e 76-74.


Rosto de Paulinho demonstra como batalha pela vitória foi dura - Imagem: Round13

Festa em Sorocaba, já que seu filho mais destacado no pugliato atualmente venceu a maior barreira de sua carreira até então. Sem dúvidas o crescimento futuro de Paulo Soares está diretamente ligado á qualidade de seus desafios, mas não nos esqueçamos de Daniel Araújo, que já foi protagonista da luta do ano no Brasil em 2016, e provavelmente será também em 2017 após o que vimos ontem.

Em conversa posterior com Sergio Batarelli, principal responsável pelo evento, o mesmo avaliou que o sucesso, tanto de audiência na TV, quanto de bilheteria permite que o Boxing For Your siga seu planejamento, possibilitando que em cerca de 40 dias tenhamos uma nova edição. Para você que gostou, fica a boa notícia que Março pode marcar um novo episódio deste evento que, pelo menos á tomar como referência sua primeira empreitada, tem sim tudo para tornar-se um divisor de águas em nosso boxe.

 

Comentários