Pós-Luta

Publicado em 21 de Janeiro de 2018 às 02h:15

Spence faz Peterson desistir e defende cinturão; No Brasil, Manchinha estreia com vitória

Foto do autor

Autor Daniel Leal

Errol Spence Jr. deu novo show e dominou amplamente Lamont Peterson para defender o título dos meio-médios pela FIB. Em São Mateus, Rubens Manchinha venceu por nocaute em sua estreia profissional. (Imagem: RingNews24)

Na madrugada deste sábado, no Barclays Center, em Nova Iorque, Errol Spence Jr. (22-0, 19 ko's) e Lamont Peterson (35-3-1, 17 ko's) pelejaram pelo cinturão FIB dos meio-médios, pertencente ao primeiro. Assim estava a situação da coroa antes do confronto, e assim permaneceu.

Spence começou o embate estabelecendo seu jab e conectando muitos golpes no corpo. Já no segundo round, a guarda de Peterson passou a ser vazada, o que caracterizava-se como um péssimo sinal naquele momento. Apesar de Lamont, vez ou outra, encontrar espaço para sua direita em contragolpe, as esquerdas do campeão canhoto machucaram-no durante a maior parte do terceiro e quarto assaltos.

O knockdown finalmente veio após um cruzado espetacular entrar sobre a mão direita de Peterson em posição defensiva, que levantou-se e tentou fazer o possível para seguir na luta. Ele se manteve de pé, mostrando muita coragem para trocar golpes francos e conseguir ouviu o soar do gongo, retrornando ao sexto giro, da onde também conseguiu sobreviver.

O desafiante deu início, efetivamente, a evasão das trocas francas, no sétimo período, um sinal para o que estava por vir. O domínio de Errol era tão amplo e as lesões nos olhos de Peterson tão chamativas que seu córner decidiu, junto com o próprio pugilista, que já era o suficiente, não retornando para o oitavo intervalo.

Vitória de Spence Jr., que defende pela primeira vez seu boldrié e firmar-se como um candidato fortíssimo ao título de melhor lutador libra-por-libra nas próximas temporadas. Sua sorte e seu desafio, são seus pares na divisão atual, que conta com nomes do calibre de Keith Thurman, Shawn Porter, Terence Crawford, Danny Garcia e Manny Pacquiao. Com o boxe apresentado em sua trajetória até o momento, nenhum desses desafios hoje pareceria uma passo maior do que poderia dar. Resta aguardar que mantenha-se mais ativo do que foi em 2017 e consiga pelo uma super-luta neste ano.

O estadunidense Rober Easter Jr. (21-0, 14 ko's) colocaria em jogo pela terceira vez sua cinta dos leves, também pela Federação Internacional de Boxe, diante do ex-campeão AMB dos super-penas Javier Fortuna (33-2-1, 23 ko's), da República Dominicana, na principal semifinal da noitada, se o desafiante não tivesse se apresentado acima do peso para o combate.

O confronto terminou com a vitória de forma dividida de Easter Jr, com placares em 114-113 (Fortuna), 114-113 e 115-112. O Round13 viu o confronto em 116-111 para o dominicano, derrotado na pontuação, em linha com a maioria da plateia, que vaiou o resultado ao final do movimentado, porém pouco técnico, imbróglio, pareceu enxergar. Vale a menção de que Javier teve um ponto deduzido, corretamente, no segundo assalto, por aplicar golpes na nuca de seu oponente. Não fosse isso, o confronto seria apontado como um empate.

Este evento não teve transmissão para o Brasil, dando início com o pé direito à ignorância midiática esportiva em relação ao boxe, em 2018.

Manchinha estreia com nocaute no “Palco do Boxe”

Rubens “Manchinha” dos Santos (1-0, 1 ko's) estreou com o pé direito no boxe profissional na primeira edição do “Palco do Boxe”, realizado no teatro do CEU São Mateus, em São Paulo. Ele derrubou Breno Rangel (0-4) tanto no primeiro, quanto no segundo assaltos, para garantir a vitória por nocaute após a segunda queda.

Na principal preliminar do evento, Aldimar Silva Santos (20-12, 12 ko's) derrotou Lucas “Van Damme” Oliveira (2-4, 2 ko's) por pontos após 6 assaltos de confronto, com marcações em 59-55 e 60-54 (duas vezes). Com o êxito, Silva Santos volta a vencer depois de dois anos e meio e quatro derrotas consecutivas.

A programação ainda contou com combates amadores com promessas da “The Oliveira Brothers” e foi trazida a tona pela Victoria Promotions, empresa de promoção do ex-boxeador e medalhista olímpico, Servilio de Oliveira. A supervisão das contendas foi realizada pelo Conselho Nacional de Boxe.

Comentários